O Guia do Principiante para Construção de Ligações

Tim Soulo
Tim é o Diretor de Marketing na Ahrefs. Mas, mais importante, ele é o maior fã e evangelista da empresa.
Estatísticas do artigo
  • Websites com ligações 3
Dados de Explorador de Conteúdo

Mostra quantos websites diferentes estão a ligar para esta peça de conteúdo. Como regra geral, quantos mais websites ligarem para si, melhor posicionamento terá no Google.

Mostra o tráfego de pesquisa mensal estimado para este artigo de acordo com os dados da Ahrefs. O tráfego atual de pesquisa (como reportado no Google Analytics) é geralmente 3-5 vezes maior.

O número de vezes que este artigo foi partilhado no Twitter.

Lig­ações são a moe­da da web. Os web­sites que têm muitos deles são con­sid­er­a­dos “ofi­ci­ais” e são rec­om­pen­sa­dos ​​com alto posi­ciona­men­to no Google. Enquan­to os web­sites que não têm nen­hum estão fada­dos à obscuridade.

Se está ape­nas a começar em SEO, desco­brir a con­strução de lig­ações pode ser um grande desafio.

Alguns SEOs dir-lhe-ão para cri­ar um óti­mo con­teú­do e esper­ar que as lig­ações sur­jam nat­u­ral­mente, out­ros insi­s­tirão que a prospecção de lig­ações estratég­i­cas e alcance de email dire­ciona­do é que é, e out­ras pes­soas vão lhe dar um sor­riso enig­máti­co e diz­er ape­nas uma palavra: PBNs.

Então, quem deve ouvir?

Como acon­tece com muitas coisas em SEO, a respos­ta cor­re­ta é: “depende”. Não há uma abor­dagem úni­ca cer­ta para a con­strução de lig­ações e a sua escol­ha de táti­cas depen­derá muito do seu setor, do seu web­site, dos seus recur­sos e dos seus objetivos.

Acabei de tornar as coisas ain­da mais con­fusas do que já eram?

Não se pre­ocupe. Cri­amos este guia de cri­ação de lig­ações ten­do em mente os prin­cipi­antes e cer­ti­fi­camo-nos de que ele está reple­to de con­sel­hos úteis que pode começar a imple­men­tar imediatamente. 

Então vamos começar, vamos?

Chapters


    Uma vez que este é um guia para prin­cipi­antes, é jus­to começar do básico.

    O que é a construção de ligações?

    A con­strução de lig­ações é o proces­so de faz­er com que out­ros web­sites façam lig­ações a pági­nas do seu web­site para ajudá-los a ter um posi­ciona­men­to mais ele­va­do nos resul­ta­dos de pesquisa do Google.

    Em ger­al, pode resumir a maio­r­ia das estraté­gias de con­strução de lig­ações de “chapéu bran­co” em duas eta­pas simples:

    1. Crie algo notáv­el (e por­tan­to dig­no de uma ligação);
    2. Mostre‑o a pes­soas que pos­suem web­sites (e, por­tan­to, podem cri­ar uma lig­ação para si).

    Porque é importante a construção de ligações?

    De acor­do com o Andrey Lipatt­sev da Google, as lig­ações são um dos três prin­ci­pais fatores de posi­ciona­men­to no Google. Por­tan­to, se dese­ja que as pági­nas do seu web­site ten­ham um posi­ciona­men­to ele­va­do na pesquisa, quase cer­ta­mente pre­cis­ará de ligações.

    O Google (e out­ros motores de pesquisa) con­sid­er­am as lig­ações de out­ros web­sites como “votos”. Estes votos aju­dam os a iden­ti­ficar que pági­na de um deter­mi­na­do tópi­co (entre mil­hares de semel­hantes) merece ser posi­ciona­da no topo dos resul­ta­dos da pesquisa.

    Regra ger­al, as pági­nas com mais back­links ten­dem a ter um posi­ciona­men­to mais ele­va­do nos resul­ta­dos de pesquisa. Isto foi estu­da­do em escala por muitas empre­sas de SEO e a cor­re­lação entre o número de web­sites com lig­ações para uma pági­na e sua posição no rank­ing do Google sem­pre foi positiva.

    De acor­do com a nos­sa pesquisa, as pági­nas com mais web­sites lig­a­dos a elas ten­dem a obter mais tráfego de pesquisa.

    Por­tan­to, as lig­ações são impor­tantes, isto é um dado adquirido.

    Mas por que é tão impor­tante con­struí-los?

    Quer diz­er, os web­sites ten­dem a lig­ar-se uns aos out­ros nat­u­ral­mente, cer­to? Acabou de ler alguns pará­grafos deste guia e já me viu com lig­ações para duas pági­nas diferentes.

    Bem, num mun­do ide­al, a pági­na mais valiosa em qual­quer tópi­co sem­pre obte­ria o maior número de lig­ações e ocu­paria o primeiro lugar no Google. Emb­o­ra as pági­nas de qual­i­dade infe­ri­or não rece­bam tan­tas lig­ações e ten­ham um posi­ciona­men­to inferior.

    Mas não vive­mos neste mun­do ide­al. E há dois motivos prin­ci­pais pelos quais as pági­nas com mais lig­ações podem não ser nec­es­sari­a­mente as melhores:

    1. O Ciclo Vicioso do SEO

    Adi­v­in­ha como escol­hi as duas pági­nas que liguei aci­ma. Acha que estudei mil­hares de pági­nas semel­hantes em cada tópi­co para escol­her as mel­hores? Claro que não! Fiz uma ráp­i­da pesquisa no Google para o que eu que­ria faz­er refer­ên­cia, abri algu­mas das pági­nas de mel­hor posição para ver­i­ficar se eles dizem o que eu pre­ciso diz­er e liguei àquele que pare­cia ser o mais adequado.

    E foi assim que as duas pági­nas mais bem posi­cionadas gan­haram uma nova lig­ação, que garan­tiu ain­da mais as suas altas posições no Google.

    Chamamos a isto o “Ciclo Vicioso do SEO”. E real­mente fize­mos um estu­do para provar que é algo real.

    No momen­to em que é pub­li­ca­da, a sua pági­na incrív­el fica ime­di­ata­mente em desvan­tagem em relação àque­les que estão no topo do Google no mes­mo tópi­co. E se quis­er entrar nesse ciclo vicioso, pre­cisa ser proa­t­i­vo na obtenção de backlinks.

    2. O seus concorrentes provavelmente estão a construir ligações

    Dig­amos que a sua pági­na ten­ha obti­do muitas lig­ações nat­u­ral­mente (nen­hu­ma con­strução de lig­ações envolvi­da) e ago­ra este­ja em primeiro lugar no Google para o seu tópico.

    Bem, adi­v­in­ha? A pági­na de out­ra pes­soa cos­tu­ma­va ser posi­ciona­da em primeiro lugar antes de você apare­cer. E o seu pro­pri­etário provavel­mente está a ten­tar recon­quis­tar esse primeiro lugar crian­do algu­mas lig­ações de qual­i­dade para a sua página.

    É a mes­ma história com o pro­pri­etário da pági­na na posição #3, que cos­tu­ma­va estar na posição #2. Eles não estão felizes com isso e é prováv­el que come­cem a con­stru­ir lig­ações para resolver isto.

    E emb­o­ra a sua pági­na pos­sa real­mente ser dez vezes mel­hor do que as pági­nas deles (que é o moti­vo de ter tan­tas lig­ações nat­u­rais em primeiro lugar), os seus con­cor­rentes ain­da podem superá-lo se forem qual­i­fi­ca­dos o sufi­ciente para con­stru­ir ligações.

    Pode não faz­er nada e lamen­tar-se que o mun­do é injus­to ou lev­an­tar-se e lutar.

    Ligações não são a resposta para tudo

    A par­tir deste capí­tu­lo intro­dutório, pode pare­cer que, para se posi­cionar em primeiro lugar no Google, tudo o que pre­cisa de faz­er é cri­ar mais back­links do que as pági­nas que estão lá posicionadas.

    E emb­o­ra isto seja ver­dade até cer­to pon­to, na real­i­dade as coisas são um pouco mais sub­tis do que isto.

    Além de todas as lig­ações não serem iguais (falare­mos mais sobre isso no Capí­tu­lo 3), os motores de pesquisa tomam em con­sid­er­ação muitas out­ras var­iáveis ​​ao posi­cionar as pági­nas. E a com­bi­nação destas var­iáveis ​​pode real­mente depen­der do tipo de pesquisa para a qual dese­ja posicionar-se.

    Por­tan­to, se cri­ar muitas lig­ações para a sua pági­na e ela ain­da tiv­er uma baixa posição, não culpe este guia por enganá-lo. Análise out­ros fatores de posi­ciona­men­to que podem impe­di-lo de posi­cionar-se bem.


    Exis­tem muitas táti­cas e estraté­gias que o aju­darão a obter lig­ações de out­ros web­sites para as suas pági­nas. Neste capí­tu­lo, apren­derá quais são essas táti­cas e estraté­gias, a lóg­i­ca por trás delas e como pode ser arrisca­do usá-las.

    Con­ceitual­mente, a maio­r­ia das táti­cas e estraté­gias de con­strução de lig­ações enquadram-se num dos cin­co seguintes seg­men­tos: Adi­cionar, Per­gun­tar, Com­prar, Gan­har e Preservar.

    1. Adicionar ligações

    Se pud­er ir a um web­site que não lhe per­tence e colo­car man­ual­mente sua lig­ação lá, isso chama-se “adi­cionar” uma lig­ação. As táti­cas mais comuns que se enquadram nes­ta cat­e­go­ria são:

    • Sub­mis­sões em lis­tas de negócios;
    • Cri­ação de per­fil social;
    • Comen­tários de blog;
    • Pub­li­cação em fóruns, comu­nidades e web­sites de per­gun­tas e respostas;
    • Cri­ação em lis­tas de procu­ra de emprego;
    • etc.

    Con­stru­ir lig­ações através destas táti­cas é muito fácil de faz­er. E por isso mes­mo, estas lig­ações ten­dem a ter um val­or muito baixo aos olhos do Google (e em alguns casos podem até ser sinal­izadas como SPAM).

    Além dis­so, estes tipos de lig­ações difi­cil­mente ofer­e­cem qual­quer van­tagem com­pet­i­ti­va. Se pode ir a um web­site e colo­car man­ual­mente a sua lig­ação, nada impede que os seus con­cor­rentes façam o mesmo.

    No entan­to, não deve igno­rar este grupo de táti­cas de con­strução de lig­ações na total­i­dade. Cada um deles pode ser bas­tante bené­fi­co para o seu negó­cio online por out­ras razões além da aquisição de ligações.

    Deixe-me elab­o­rar com alguns exemplos:

    Submeter o seu website em diretórios de negócios

    Deve resi­s­tir ao impul­so de adi­cionar o seu web­site a todos os diretórios de empre­sas que exis­tem, ape­nas para obter out­ra lig­ação. Em vez dis­so, con­cen­tre-se naque­les que são bem con­heci­dos, têm tráfego e, por­tan­to, podem traz­er vis­i­tantes reais ao seu website.

    Por exem­p­lo, se é pro­pri­etário de uma peque­na empre­sa e apren­deu sobre um diretório de empre­sas local onde out­ros empreende­dores obtêm os seus leads, deve abso­lu­ta­mente lis­tar sua empre­sa lá. E aque­las lig­ações provavel­mente trari­am muito mais ‘val­or de SEO’ do que enviar o seu web­site para uma lista de diretórios de negó­cios genéri­cos que encon­trou num fórum de SEO aleatório.

    Criação de perfis sociais para a sua empresa

    É uma boa práti­ca reivin­dicar o nome da sua mar­ca em todos os prin­ci­pais web­sites de redes soci­ais (Twit­ter, YouTube, SlideShare, Insta­gram e sim­i­lares) o mais rápi­do pos­sív­el. Caso con­trário, os inva­sores podem roubá-los assim que a sua mar­ca entrar no radar deles.

    É por isso mes­mo que a nos­sa equipa pub­li­ca no Insta­gram como “ahref­s­com”, em vez de “ahrefs”. Alguém roubou esse nome de uti­lizador e não con­seguimos reivin­dicá-lo de vol­ta — ainda.

    A nos­sa pági­na de per­fil no Insta­gram, que tem o endereço do nos­so website.

    Nun­ca nos pre­ocu­pamos em pro­mover o nos­so per­fil do Insta­gram, mas mes­mo assim ele con­seguiu lig­ações de mais de 70 web­sites. Isto torna‑o numa pági­na bas­tante “forte” da qual ter uma lig­ação (mais sobre o val­or dos links no Capí­tu­lo 3):

    Cap­tura de ecrã do Explo­rador de Web­sites da Ahrefs.

    Comentários do blog

    Deixar um comen­tário sig­ni­fica­ti­vo no arti­go de alguém é uma óti­ma maneira de entrar no seu radar e ini­ciar um rela­ciona­men­to com eles (o que pode levar a todo o tipo de coisas boas). Mas pub­licar comen­tários com o úni­co propósi­to de colo­car uma lig­ação para o seu web­site ali só fará com que os pro­pri­etários do blog o odeiem.

    Além dis­so, as lig­ações dos comen­tários do blog geral­mente são nofol­lowed (ou seja, podem não con­tar como “votos”). Por­tan­to, se está a pen­sar em deixar um comen­tário para alguém ape­nas para adi­cionar a sua lig­ação, não o faça.

    Esper­amos que estes três exem­p­los lhe dêem uma boa ideia de como “adi­cionar” as suas lig­ações a out­ros sites sem enviar spam.

    Nota adi­cional.
    Enquan­to procu­ra mais for­mas de “adi­cionar” lig­ações a out­ros web­sites, pode deparar-se com táti­cas que men­cionam “web 2.0s” e “web­sites de favoritos”. Essas coisas cos­tu­mavam fun­cionar há cer­ca de 15 anos, mas não deve perder o seu tem­po com elas hoje.

    2. Pedir ligações

    Como o nome sug­ere, é quan­do entra em con­ta­to com o pro­pri­etário do web­site do qual dese­ja uma lig­ação e lhe dá um moti­vo con­vin­cente para cri­ar uma lig­ação para si.

    Este “moti­vo con­vin­cente” é abso­lu­ta­mente essen­cial para este grupo de táti­cas de con­strução de lig­ações. As pes­soas que procu­ra não se impor­tam con­si­go e com o seu web­site (a menos que seja algum tipo de cele­bri­dade) e, por­tan­to, têm incen­ti­vo zero para o ajudar.

    Por­tan­to, antes de lhes pedir para cri­ar uma lig­ação para si, per­gunte-se: “O que ELES gan­ham com isto?”

    Aqui estão algu­mas das táti­cas e estraté­gias de con­strução de lig­ações que se enquadram nes­ta cat­e­go­ria, jun­ta­mente com um “moti­vo con­vin­cente” breve­mente defini­da pela qual elas se baseiam:

    Todas estas estraté­gias pare­cem muito inter­es­santes, cer­to? Mas assim que enviar a sua primeira solic­i­tação por e‑mail, provavel­mente enfrentará a dura real­i­dade — p seu “moti­vo con­vin­cente” não é con­vin­cente o suficiente:

    • A sua pub­li­cação de con­vi­da­do não é boa o suficiente;
    • O seu recur­so não é exclu­si­vo o suficiente;
    • O seu “arran­ha-céus” não é “alto” o suficiente;
    • etc.

    Repare, para que estas táti­cas de con­strução de lig­ações sejam efi­cazes, pre­cisa cri­ar uma pági­na ver­dadeira­mente excep­cional para a qual as pes­soas nat­u­ral­mente gostari­am de cri­ar uma lig­ação. Ou ten­ha mui­ta autori­dade e cred­i­bil­i­dade no seu espaço, o que pode aju­dar a com­pen­sar a fal­ta de noto­riedade da sua página.

    Um comen­tário sobre o nos­so estu­do de caso de con­strução de lig­ações, sug­erindo que é mais fácil pedir lig­ações às pes­soas quan­do você é uma mar­ca recon­heci­da globalmente.

    Ten­do em con­ta o quão difí­cil é per­suadir pes­soas aleatórias a cri­ar uma lig­ação para si, muitos SEOs começaram a procu­rar maneiras de tornar o negó­cio mais doce:

    • Ofer­eça-se para par­til­har o seu con­teú­do no Twit­ter e Facebook;
    • Ofer­eça-se para pro­mover o seu con­teú­do num bole­tim infor­ma­ti­vo por e‑mail;
    • Ofer­eça aces­so gra­tu­ito a um pro­du­to ou serviço premium;
    • Ofer­eça uma lig­ação em troca;
    • Ofer­eça din­heiro.

    Mas ofer­e­cer estes tipos de “bene­fí­cios extras” leva-nos à área cinzen­ta do que é con­sid­er­a­do um “esque­ma de lig­ações” de acor­do com as dire­trizes do Google:

    E aí está. As for­mas legí­ti­mas de solic­i­tar lig­ações têm uma taxa de suces­so bas­tante baixa, mas assim que ten­ta “adoçar o negó­cio”, está a entrar no cam­po mina­do do Google.

    Neste pon­to, pode pare­cer que o estou a dis­suadir de uti­lizar as táti­cas e estraté­gias lis­tadas neste grupo. Não estou. Estou ape­nas a ten­tar definir a expec­ta­ti­va cer­ta, para que não desista depois de enviar seu 10º email de divul­gação e não obter respos­ta. Real­mente é pre­ciso muito esforço para obter lig­ações com estas táti­cas sem infringir as dire­trizes do Google.

    Deixe-me par­til­har um “hack” por­reiro que apren­di com o Adam Enfroy enquan­to fazia a min­ha pesquisa para este guia. Antes de entrar em con­ta­to com o Pat Fly­nn, o Adam criou uma lig­ação para o seu web­site a par­tir de pelo menos dez arti­gos de con­vi­da­do que escreveu para blogs pop­u­lares (que ele men­cio­nou casual­mente no seu email de divulgação).

    Pague adi­anta­do” é uma boa maneira de descr­ev­er o que ele fez aqui. O Adam não per­gun­tou: “Faria uma entre­vista comi­go no pod­cast SPI se eu con­struísse dez lig­ações de qual­i­dade para si?” Ele sim­ples­mente foi em frente e con­stru­iu dez lig­ações de alta qual­i­dade para o Pat, inde­pen­den­te­mente do resultado.

    Encur­tan­do a história, o Adam con­seguiu uma entre­vista no pod­cast da SPI. E ten­ho certeza de que “pagar adi­anta­do” desem­pen­hou algum papel nisto.

    3. Comprar ligações

    Vamos deixar isto bem claro des­de o iní­cio: não recomen­damos que com­pre ligações!

    Na mel­hor das hipóte­ses, provavel­mente des­perdiçará muito din­heiro com más lig­ações que não terão nen­hum impacto no seu posi­ciona­men­to; na pior das hipóte­ses, verá o seu web­site penalizado.

    No entan­to, estaríamos a colocá-lo em desvan­tagem se não divul­gásse­mos o fato de que muitas pes­soas na indús­tria de SEO “com­pram” lig­ações de todas as for­mas e con­seguem ficar impunes.

    Dito isso, não vamos ensiná-lo como com­prar lig­ações com segu­rança, mas sim ensiná-lo sobre algu­mas das maneiras mais arriscadas de o fazer.

    Redes Privadas de Blogs

    Tam­bém con­heci­dos como PBNs (Pri­vate Blog Net­works, em inglêS), são gru­pos de web­sites que são cri­a­dos e man­ti­dos com um propósi­to: ser uma fonte de ligações.

    Lig­ações de PBNs ain­da fun­cionam bem em alguns nichos. Mas nos últi­mos anos, vimos alguns dos grandes defen­sores do PBN grad­ual­mente deixarem de uti­lizá-los. Ficou tão arrisca­do que já não vale a pena.

    Por­tan­to, se alguém está a ofer­e­cer-lhe a com­pra de lig­ações de um PBN (ou con­stru­ir um PBN pri­va­do para si), deve diz­er “não”.

    Fiverr

    Exis­tem cen­te­nas de pro­postas no Fiverr a ofer­e­cer lig­ações “nat­u­rais, edi­to­ri­ais, con­tex­tu­ais, de alta autori­dade, de chapéu bran­co”. Ofer­e­cem todos os tipos de garan­tias de que essas lig­ações são legí­ti­mas e irão impul­sion­ar o seu web­site para o topo do Google num instante.

    Evite-os. Mes­mo que o seu ami­go os ten­ha exper­i­men­ta­do e ten­ha fun­ciona­do. As mel­hores agên­cias de con­strução de lig­ações não ven­dem os seus serviços no Fiverr.

    Vendedores de ligações SPAM

    Se pos­sui um web­site e lis­tou os seus dados de con­ta­to nele, mais cedo ou mais tarde começará a rece­ber emails com ofer­tas de com­pra de lig­ações. Como este:

    Se você se pre­ocu­pa com o bem-estar do seu web­site, mes­mo que seja um pouco, não com­pre lig­ações dessas pes­soas. Bas­ta mar­car estes emails como “SPAM” e seguir em frente.

    Nota adi­cional.
    Tam­bém pode rece­ber emails de divul­gação de agên­cias legí­ti­mas de con­strução de lig­ações que cri­am lig­ações uti­lizan­do ape­nas estraté­gias de chapéu bran­co seguras. Mas ten­ho certeza de que poderá difer­en­ciar uma agên­cia de SEO legí­ti­ma de um vende­dor de lig­ações spam. 

    Em suma, a com­pra de lig­ações é bas­tante comum entre SEOs, emb­o­ra a sua escala depen­da em grande parte do setor em que está. Mas mes­mo que os seus con­cor­rentes este­jam pagan­do por lig­ações, não pre­cisa nec­es­sari­a­mente seguir o seu exem­p­lo. Não pre­cisa infringir as dire­trizes do Google para se posi­cionar bem e obter tráfego de pesquisa.

    4. Ganhar ligações

    Gan­ha” lig­ações quan­do out­ras pes­soas cri­am lig­ações para as pági­nas do seu web­site sem que pre­cise de lhes pedir. Obvi­a­mente, isso não acon­tece a menos que ten­ha algo ver­dadeira­mente notáv­el que out­ros pro­pri­etários de web­sites real­mente gostari­am de men­cionar nos seus websites.

    Mas as pes­soas não podem lig­ar-se a coisas que não sabem que exis­tem. Por­tan­to, não impor­ta o quão incrív­el seja a sua pági­na, pre­cis­ará inve­stir na sua pro­moção. E quan­to mais pes­soas veem a sua pági­na, maior a hipótese de algu­mas delas acabarem por cri­ar uma lig­ação para ela.

    Aqui estão algu­mas táti­cas e estraté­gias que se enquadram nes­ta categoria:

    Gan­har lig­ações é sem dúvi­da a for­ma mais fácil e efi­caz de obtê-las. 

    Eu preferiria muito mais inve­stir o meu tem­po e din­heiro na cri­ação de pági­nas valiosas que irão ger­ar par­til­ha “pas­sa-a-palavra” e obter lig­ações nat­u­ral­mente, em vez de tra­bal­har numa sequên­cia assus­ta­do­ra de prospecção de lig­ações e flux­os de tra­bal­ho de alcance de email na esper­ança de con­stru­ir lig­ações para uma pági­na medíocre.

    Tome este mes­mo blog como exem­p­lo. Três em cada cin­co dos nos­sos arti­gos com mais lig­ações (excluin­do a pági­na ini­cial) são estu­dos de dados (ou seja, iscos de ligações):

    Os arti­gos com mais lig­ações no Blog da Ahrefs através do Explo­rador de Web­sites.

    Pode argu­men­tar que é fácil para a Ahrefs defend­er a obtenção de lig­ações nat­u­ral­mente com isco de lig­ações, vis­to que temos:

    • Muitos dados próprios, que podemos uti­lizar para estudos;
    • Uma equipa de profis­sion­ais qual­i­fi­ca­dos, que nos podem aju­dar a cri­ar recur­sos valiosos;
    • Uma mar­ca de con­fi­ança, que auto­mati­ca­mente dá cred­i­bil­i­dade a todo o nos­so trabalho;
    • Um públi­co bas­tante grande para pro­mover o nos­so con­teú­do (e dar o pon­tapé ini­cial na divul­gação passa-a-palavra).

    Emb­o­ra estas coisas nos aju­dem tremen­da­mente, nen­hu­ma delas é um pré-req­ui­si­to para gan­har lig­ações. Qual­quer pes­soa pode cri­ar con­teú­do dig­no de nota e gan­har lig­ações se tiv­er paixão pelo tema e um pouco de determinação.

    Em 2015, pas­sei dezenas de horas a pesquis­ar 500 autores de blog sobre o “ROI do blog de con­vi­da­do”. Em segui­da, publiquei essa “pesquisa” no meu blog pes­soal, e ela ger­ou lig­ações de mais de uma cen­te­na de web­sites. Isto tin­ha o dobro de lig­ações do meu arti­go com mais lig­ações na época.

    Este número de lig­ações pode não pare­cer impres­sio­n­ante para si, mas foi um grande suces­so para mim naque­la época — um autor de blog soz­in­ho sem uma grande mar­ca, grande públi­co ou grandes bolsos.

    Mas e se se esforçar para ter ideias de ativos ligáveis ​​que des­pertem o inter­esse das pes­soas no seu setor e lhe ren­dam lig­ações nat­u­rais? Ou se copi­asse uma ideia de isco de lig­ações de out­ra pes­soa e ela não funcionasse?

    Nesse caso, vale a pena inve­stir tem­po para desen­volver o seu con­hec­i­men­to do setor para obter uma mel­hor com­preen­são do que pode motivá-los. Não per­ca o seu tem­po procu­ran­do estraté­gias de con­strução de lig­ações mág­i­cas para cri­ar lig­ações para con­teú­do cha­to — isso não funcionará.

    5. Preservar links

    Como o nome sug­ere, este grupo final de táti­cas con­cen­tra-se em preser­var todas as suas lig­ações con­quis­tadas com tan­to esforço. Alguém pode argu­men­tar que recu­per­ar as suas lig­ações per­di­das não pode ser cat­e­go­riza­do como “con­strução de lig­ações”. Mas, como se cos­tu­ma diz­er, “um dólar poupa­do é um dólar gan­ho”.

    Exis­tem ape­nas duas maneiras de preser­var ligações:

    Vamos dis­cu­tir breve­mente sobre ambos.

    Reclamação de ligações

    Lig­ações não duram para sem­pre. A pági­na com lig­ações para si pode ser atu­al­iza­da, desin­dex­a­da ou excluí­da. Como resul­ta­do, a sua lig­ação dessa pági­na pode deixar de existir.

    Uma lig­ação per­di­da para o nos­so arti­go do blog, encon­tra­do através do Explo­rador de Web­sites.

    É por isso que pode quer­er ficar de olho no seu per­fil de lig­ações e rece­ber aler­tas quan­do algu­ma das suas lig­ações desa­pare­cer. Dessa for­ma, pode entrar em con­ta­to com o pro­pri­etário do web­site e ten­tar restau­rar a sua ligação.

    Corrigir páginas 404 que tenham ligações

    As pági­nas do seu próprio web­site têm a mes­ma prob­a­bil­i­dade de desa­pare­cer. Seja proposi­tal­mente ou por engano, algu­mas das suas pági­nas podem acabar por ser excluí­das. E como as lig­ações que apon­tam para uma pági­na 404 não trazem nen­hum val­or de SEO para o seu web­site, con­vém resolver o problema.

    Para encon­trar as suas pági­nas 404 com lig­ações, abra o relatório “Mel­hor por lig­ações” no Explo­rador de Web­sites e aplique o fil­tro “404 não encontrado”:

    Parece que temos vários arti­gos mor­tos com back­links exter­nos no Blog da Ahrefs.

    Tudo que pre­cisa de faz­er a par­tir daqui é restau­rar as pági­nas ou redi­re­cioná-las com 301 para as pági­nas mais rel­e­vantes do seu website.

    impor­tant note

    Na ver­dade, exis­tem algu­mas evidên­cias que sug­erem que o Google pode con­tin­uar a pas­sar uma cer­ta quan­ti­dade do val­or de uma lig­ação para uma pági­na, mes­mo depois de a lig­ação deixar de exi­s­tir. Este fenó­meno é con­heci­do como “eco de lig­ação” ou “lig­ações fan­tas­mas” e essen­cial­mente dis­suade as pes­soas de mon­i­tor­izar as suas lig­ações perdidas.

    Bem, aqui está a nos­sa posição sobre o assun­to. Se perdeu uma lig­ação impor­tante que envi­a­va vis­i­tantes para o seu web­site ou servia como uma for­ma de “pro­va social”, deve abso­lu­ta­mente ten­tar restau­rá-la. Mas, na maio­r­ia dos out­ros casos, seria mel­hor gas­tar o seu tem­po a adquirir novas lig­ações em vez de preser­var as antigas.


    Acabou de apren­der várias for­mas difer­entes de con­stru­ir lig­ações para o seu web­site. Mas o que pre­cisa de se lem­brar é que os back­links são um meio para um fim. Está a con­struí-las porque as lig­ações agem como “votos” e aju­dam o Google a iden­ti­ficar as pági­nas mais valiosas para um posi­ciona­men­to ele­va­do nos resul­ta­dos de pesquisa.

    No entan­to, nem todos os “votos” são iguais.

    Ninguém sabe ao cer­to exata­mente como o Google mede o val­or de cada lig­ação. Mas exis­tem alguns con­ceitos gerais de avali­ação de lig­ações que a comu­nidade SEO acred­i­ta ser verdade.

    1. Autori­dade
    2. Relevân­cia
    3. Tex­to Âncora
    4. Nofol­low vs follow
    5. Colo­cação
    6. Des­ti­no

    1. Autoridade

    Imag­ine que o seu ami­go acabou de lançar um blog e criou uma lig­ação para o seu web­site a par­tir de um dos seus arti­gos recentes. Isso não é grande coisa, certo?

    Mas e se o New York Times pub­li­cas­se um arti­go com uma lig­ação para o seu web­site? Isso cer­ta­mente seria algo de que pode­ria orgulhar-se.

    A questão é que percebe­mos estes dois sites como ten­do difer­entes níveis de “autori­dade”. O New York Times é uma pub­li­cação mundial­mente famosa na qual mil­hões de pes­soas ao redor do mun­do con­fi­am. Enquan­to o novo blog do seu ami­go quase não recebe visitantes.

    Então, como o Google mede a “autori­dade” de um web­site (ou pági­na da web) que tem uma lig­ação para si? Bem, se as lig­ações são votos, então seria jus­to se uma pági­na com mais votos con­tasse mais forte­mente para as out­ras pági­nas, certo?

    E este é, na ver­dade, um dos impor­tantes princí­pios por trás do algo­rit­mo PageR­ank, que os fun­dadores do Google, Lar­ry Page e Sergey Brin, con­ce­ber­am em 1996.

    Tam­bém cos­tu­ma­va haver um plu­g­in de nave­g­ador que exib­ia a pon­tu­ação do PageR­ank de qual­quer pági­na da web numa escala de 0 a 10. Mas por vol­ta de 2014 o Google suspendeu‑o, deixan­do a comu­nidade de SEO a per­gun­tar-se quan­ta “autori­dade” eles atribuem a cada pági­na da web.

    Feliz­mente, muitos fornece­dores de fer­ra­men­tas de SEO desen­volver­am as suas próprias métri­c­as de autori­dade baseadas em lig­ações, que são baseadas em alguns dos mes­mos princí­pios uti­liza­dos ​​no algo­rit­mo orig­i­nal do PageRank.

    As métri­c­as de autori­dade que temos aqui na Ahrefs são Clas­si­fi­cação de Domínio (DR) e Clas­si­fi­cação de URL (UR).Ambos medem numa escala de 0 a 100.

    Métri­c­as UR e DR da pági­na ini­cial da Ahrefs através do Explo­rador de Web­sites.

    A Clas­si­fi­cação do URL da nos­sa pági­na ini­cial é 87, o que sig­nifi­ca que é uma pági­na de alta autori­dade. E a clas­si­fi­cação de domínio do domínio ahrefs.com é 90, o que é con­sid­er­a­do muito alto (o nytimes.com é DR 94).

    Nota adi­cional.
    Alguns profis­sion­ais de SEO tam­bém olham para o tráfego de pesquisa de um web­site para avaliar a sua “autori­dade”. A lóg­i­ca aqui é sim­ples: se o Google posi­ciona um web­site no topo dos seus resul­ta­dos de pesquisa e envia tráfego para ele, então eles provavel­mente con­sid­er­am o web­site como ten­do alta autoridade. 

    Como regra ger­al, os profis­sion­ais de SEO esforçam-se para adquirir lig­ações de web­sites e pági­nas de alta autori­dade, porque estas lig­ações têm maior prob­a­bil­i­dade de aju­dar as suas próprias pági­nas a ter um posi­ciona­men­to mais ele­va­do no Google.

    Mas isto sig­nifi­ca que deve evi­tar obter lig­ações de web­sites e pági­nas de baixa autori­dade? De for­ma algu­ma. Estas lig­ações não são “más” de todo. Elas sim­ples­mente têm menos “peso” aos olhos do Google e, por­tan­to, têm menos influên­cia no seu posicionamento.

    A maneira ade­qua­da de uti­lizar métri­c­as de autori­dade de lig­ações ao con­stru­ir lig­ações é avaliar quan­to esforço deve inve­stir para obter uma lig­ação de um deter­mi­na­do website.

    Se o seu ami­go lhe pedir para escr­ev­er um arti­go bem pesquisa­do de 10.000 palavras para o seu novo blog (DR10), a lig­ação que acabará por rece­ber não vale o esforço. Mas se tiv­er a hipótese de escr­ev­er o mes­mo arti­go para o NY Times (DR 94), deve abso­lu­ta­mente fazê-lo.

    Uma últi­ma coisa. Algu­mas pes­soas ficam um pouco obcecadas com as suas próprias métri­c­as de autori­dade de lig­ações. A pon­to de faz­er per­gun­tas à nos­sa equipe de suporte como esta:

    Se está a con­stru­ir lig­ações “para aumen­tar a UR”, está a perseguir o obje­ti­vo erra­do. Deve con­stru­ir lig­ações com o obje­ti­vo de ter um posi­ciona­men­to mais ele­va­do no Google. Mel­hor ain­da, deve con­stru­ir lig­ação para aju­dar os vis­i­tantes de out­ros web­sites a desco­brirem o seu website.

    2. Relevância

    Dig­amos que tem um blog sobre café e pub­li­ca uma avali­ação sobre o seu moe­dor de café favorito. Mais tarde, dois dos seus ami­gos deci­dem cri­ar uma lig­ação para ele. Uma do arti­go “As 10 mel­hores receitas de café” e a out­ra do arti­go “10 dicas para econ­o­mizar din­heiro”.

    Qual das duas pági­nas teria um voto mais forte aos olhos do Google (vis­to que ambas as pági­nas têm autori­dade igual)?

    A mais relevante!

    Pref­ere obter con­sel­hos sobre café de um cole­ga entu­si­as­ta de comi­da, do que de um espe­cial­ista em finanças pes­soais, certo?

    Os profis­sion­ais de SEO acred­i­tam que a relevân­cia tam­bém se apli­ca ao nív­el do web­site. E há, na ver­dade, algu­mas evidên­cias dis­so na pági­na “como fun­ciona a pesquisa” do Google: 

    Se out­ros web­sites impor­tantes sobre o assun­to dire­cionam para a pági­na, é um bom sinal de que as infor­mações são de alta qualidade.

    O que sig­nifi­ca que deve se esforçar para obter lig­ações de web­sites que sejam de algu­ma for­ma rel­e­vantes para o seu, em vez de procu­rar cada opor­tu­nidade de lig­ação que surgir.

    3. Texto Âncora

    Caso ain­da não este­ja famil­iar­iza­do com o ter­mo, “tex­to ânco­ra” é um tre­cho de um tex­to clicáv­el que o dire­ciona para out­ra página.

    Em muitos casos, o tex­to ânco­ra descreve do que se tra­ta a pági­na lig­a­da. Bas­ta olhar para o tex­to ânco­ra do meu link alguns pará­grafos atrás:

    Por­tan­to, não é sur­pre­sa que o Google uti­liza as palavras no tex­to ânco­ra para enten­der mel­hor para que palavras-chave a pági­na referi­da merece ser posi­ciona­da. Na ver­dade, a patente orig­i­nal do Google fala sobre isto de for­ma bas­tante explícita:

    […] O Google uti­liza uma série de téc­ni­cas para mel­ho­rar a qual­i­dade da pesquisa, incluin­do posi­ciona­men­to de pági­na, tex­to ânco­ra e infor­mações de proximidade.

    Então, como aproveitar o tex­to ânco­ra ao con­stru­ir ligações?

    Bem, não aprovei­ta. Quan­to mais ten­ta con­tro­lar como as difer­entes pági­nas se lig­am a si e encaix­am todas as “palavras cer­tas” nos tex­tos ânco­ra dos seus back­links, maior a hipótese de o Google o penalizar por isso.

    Além dis­so, a maio­r­ia das táti­cas de link con­strução de lig­ações de chapéu bran­co ofer­ece pouco ou nen­hum con­tro­lo sobre o tex­to ânco­ra, o que ape­nas impede que dê um tiro no seu próprio pé.

    4. Nofollow vs follow

    Nofol­low” é um atrib­u­to de lig­ações que infor­ma o Google que a pági­na com a lig­ação pref­ere não dar o seu voto à pági­na a que faz referência.

    Esta é a aparên­cia deste atrib­u­to de lig­ação no códi­go HTML:

    His­tori­ca­mente, o Google não con­ta­va votos de ‘lig­ações nofol­low’ (ou era o que diziam). Então, em 2019, eles mudaram para um mod­e­lo de dica, o que sig­nifi­ca que alguns links ‘nofol­low’ ago­ra podem influ­en­ciar os seus posi­ciona­men­tos de pesquisa.

    Eles tam­bém intro­duzi­ram dois novos atrib­u­tos de lig­ações com este anúncio:

    • rel=“UGC” — deve ser apli­ca­do a links “ger­a­dos pelo usuário” (user gen­er­at­ed, em inglês), por exem­p­lo, comen­tários de blog e pub­li­cações em fóruns.
    • rel=“sponsored” — deve ser apli­ca­do quan­do a lig­ação faz parte de um anún­cio, patrocínio ou algum out­ro acor­do de compensação. 

    Como regra ger­al, dese­ja con­stru­ir lig­ações “fol­low” (ou seja, lig­ações que não têm nen­hum dos atrib­u­tos men­ciona­dos aci­ma), porque ess­es são os que devem dar os votos.

    No entan­to, se vir uma opor­tu­nidade de obter uma lig­ação nofol­lowed de uma pági­na rel­e­vante de alta autori­dade, deve abso­lu­ta­mente fazê-lo.

    Um bom exem­p­lo é a Wikipedia, onde todas as lig­ações de saí­da são nofol­low. Obter uma lig­ação da Wikipedia é incriv­el­mente difí­cil, e é por isso que muitos SEOs estão con­ven­ci­dos de que essas lig­ações são muito valiosas aos olhos do Google.

    5. Colocação

    A patente de nave­g­ação razoáv­el do Google fala sobre como a prob­a­bil­i­dade de uma lig­ação ser cli­ca­da pode afe­tar a quan­ti­dade de autori­dade que ele trans­fere. E a colo­cação de uma lig­ação numa pági­na é uma das pou­cas coisas que podem afe­tar o seu CTR.

    Dig­amos que há uma pági­na da web que con­siste em três blo­cos: con­teú­do, bar­ra lat­er­al e rodapé. Como regra ger­al, as lig­ações no con­teú­do obterão mais cliques, porque o blo­co de con­teú­do recebe mais atenção dos visitantes.

    Out­ra coisa que pode afe­tar o CTR de uma lig­ação é a altura em que ele aparece na pági­na. Os leitores são mais propen­sos a seguir as lig­ações no iní­cio do arti­go, em vez dos que estão no final.

    E, por fim, quan­to mais lig­ações tiv­er na pági­na, mais eles com­pe­tirão entre si por cliques e, assim, diluirão a autori­dade que será trans­feri­da para out­ras páginas.

    Assim como com o tex­to ânco­ra, a maio­r­ia das estraté­gias de con­strução de lig­ações de chapéu bran­co ofer­ece pouco ou nen­hum con­tro­lo sobre a colo­cação da ligação.

    Mas se está a escr­ev­er um arti­go de con­vi­da­do para o blog de out­ra pes­soa, defin­i­ti­va­mente deve ten­tar atrair os leitores a cli­carem nas suas lig­ações. Não ape­nas para aumen­tar o val­or de SEO dessas lig­ações, mas porque tam­bém enviará um bom tráfego de refer­ên­cia para si.

    6. Destino

    Ao con­stru­ir lig­ações para o seu web­site, exis­tem três des­ti­nos para os quais pode apontá-los:

    1. A sua pági­na inicial;
    2. Os seus ativos ligáveis;
    3. As pági­nas de que real­mente pre­cisa para ter um bom posi­ciona­men­to no Google.

    E muitas vezes as pági­nas que pre­cisa para se posi­cionar bem tam­bém são as mais difí­ceis de obter lig­ações. Isto acon­tece porque as pes­soas pref­er­em cri­ar uma lig­ação para pági­nas infor­ma­ti­vas onde o seu públi­co pode obter val­or de graça, em vez de pági­nas com­er­ci­ais onde o seu públi­co tende a abrir mão do seu dinheiro.

    Assim, uma das per­gun­tas mais comuns em SEO é:

    Como posi­cionar pági­nas chatas?”

    E emb­o­ra não haja uma respos­ta úni­ca e cor­re­ta para esta per­gun­ta, todos con­cor­dam que deve aproveitar o poder das lig­ações inter­nas para aju­dar as suas “pági­nas chatas” a se posi­cionarem melhor.

    Por out­ras palavras, con­strua o máx­i­mo de lig­ações que pud­er para os seus ativos ligáveis ​​e canal­ize todo esse “sumo de lig­ações” para as pági­nas que real­mente dese­ja posi­cionar através de lig­ações internas.

    E ten­ha em mente que coisas como posi­ciona­men­to, relevân­cia e tex­to ânco­ra afe­tam o val­or das suas lig­ações inter­nas também.


    No capí­tu­lo dois, apren­deu algu­mas estraté­gias difer­entes de con­strução de lig­ações. Ago­ra, vamos exam­i­nar algu­mas táti­cas de con­strução de lig­ações acionáveis.

    1. Seguir lig­ações de concorrência
    2. Cri­ação de ativos vinculáveis
    3. Pro­moção de conteúdo
    4. Blog de convidado

    1. Seguir ligações de concorrência

    A pesquisa de lig­ações da con­cor­rên­cia é uma das ativi­dades mais fun­da­men­tais na con­strução de lig­ações. Pense nis­to, a pági­na de mel­hor posição para a sua con­sul­ta de pesquisa dese­ja­da tem todas as lig­ações cer­tas que per­suadi­ram o Google da sua supe­ri­or­i­dade. Ao estu­dar as suas lig­ações, pode desco­brir quais as táti­cas a uti­lizar para obter lig­ações semel­hantes e super­ar essa página.

    E é aqui que uma fer­ra­men­ta de SEO como a Ahrefs é indispensável.

    Bas­ta colo­car a palavra-chave para a qual dese­ja posi­cionar-se no Explo­rador de Palavras-chave e descer até a “Visão ger­al do SERP”. Este mostrará quan­tos back­links (e web­sites com lig­ações) cada uma das pági­nas de mel­hor posição possui.

    Número de back­links e lig­ações de web­sites para cada pági­na no topo das “mel­hores apli­cações de produtividade”.

    Clique em qual­quer um destes números e verá um relatório que lista todas as ligações:

    A par­tir daqui, o seu per­cur­so de ação é duplo:

    1. Tente obter lig­ações das pági­nas que dire­cionam para os seus concorrentes;
    2. Estude como essas lig­ações foram adquiri­das e uti­lize o que apren­deu para encon­trar out­ras pági­nas semel­hantes para obter ligações.

    Deixe-me explicar com um exem­p­lo rápido.

    Uma pesquisa para a qual nos quer­e­mos posi­cionar é “SEO”. Atual­mente, o resul­ta­do de pesquisa nº 1 para esta pesquisa é o guia para ini­ciantes da Moz, que tem quase 300 mil back­links de mais de 11 mil websites:

    Depois de ordenar a lista de back­links deles pelo tráfego de pesquisa da pági­na de lig­ação, encon­trei este arti­go com lig­ações para eles, inti­t­u­la­do “Como Apren­der Habil­i­dades de Mar­ket­ing Dig­i­tal (Um Guia para Principiantes):”

    Com base no con­tex­to da lig­ação exibido na col­u­na “Ânco­ra e back­link”, eu pode­ria entrar em con­tac­to com o autor deste arti­go e ofer­e­cer como refer­ên­cia o guia do próprio Ahrefs para Prin­cipi­antes em SEO, para que os seus leitores ten­ham mais locais para apren­der SEO.

    O que pos­so faz­er a seguir é encon­trar out­ros arti­gos sobre o tópi­co “apren­diza­gem de mar­ket­ing dig­i­tal”, porque ago­ra sei que estas pági­nas ofer­e­cem um local rel­e­vante para con­sul­tar o nos­so guia para prin­cipi­antes em SEO.

    Então abro o Explo­rador de Con­teú­do e procuro por pági­nas com “apren­der mar­ket­ing dig­i­tal” nos seus títu­los. O que retor­na mais de 1.700 pági­nas que cor­re­spon­dem aos meus critérios:

    Em segui­da, eu abriria estas pági­nas uma por uma e procu­raria um lugar onde pudesse faz­er sen­ti­do sug­erir ao autor uma refer­ên­cia ao nos­so guia para prin­cipi­antes em SEO como um recur­so valioso para o seu público.

    É por isso, essen­cial­mente, que pre­cisa de estu­dar os back­links do seu con­cor­rente e como aplicar a sua apren­diza­gem para con­stru­ir lig­ações para as suas próprias páginas.

    Out­ra táti­ca pop­u­lar ao faz­er engen­haria rever­sa nas lig­ações do seu con­cor­rente é estu­dar os seus ativos ligáveis. Para faz­er isto, bas­ta colo­car o seu nome de domínio na fer­ra­men­ta Explo­rador de Web­sites da Ahrefs e ir para o relatório “Mel­hor por lig­ações”. Isto mostrará que pági­nas acu­mu­la­ram mais ligações.

    Pági­nas com mais lig­ações no Blog Ahrefs através do Explo­rador de Web­sites.

    Como pode ver na cap­tura de ecrã aci­ma, três das cin­co pági­nas com mais lig­ações no Blog da Ahrefs (excluin­do a pági­na ini­cial) são estu­dos de pesquisa basea­d­os em dados. Isso dá uma boa ideia do tipo de con­teú­do que atrai lig­ações no nos­so setor.

    No seu próprio nicho, o tipo dom­i­nante de ati­vo ligáv­el pode ser com­ple­ta­mente difer­ente — info­grá­fi­cos, fer­ra­men­tas online, pesquisas, isco de ego, etc. O seu tra­bal­ho é desco­brir o que é e uti­lizar esse con­hec­i­men­to para cri­ar con­teú­do ligáv­el para o seu próprio website.

    Uma últi­ma dica que quero par­til­har con­si­go nes­ta seção é estu­dar as lig­ações da pági­na ini­cial do seu con­cor­rente. Na maio­r­ia das vezes, quan­do uma pági­na cria uma lig­ação para a pági­na ini­cial do seu con­cor­rente, há uma boa hipótese de per­sua­di-lo a cri­ar uma lig­ação para si também.

    Aqui está um exem­p­lo de uma opor­tu­nidade de lig­ação que desco­bri em menos de sessen­ta segun­dos, nave­gan­do numa das nos­sas lig­ações da pági­na ini­cial dos nos­sos concorrentes:

    A Moz obteve uma lig­ação de uma pub­li­cação de blog que men­ciona locais para apren­der SEO. Entrar em con­tac­to com o autor deste arti­go e pedir-lhe para adi­cionar a Ahrefs a esta lista seria bas­tante nat­ur­al, dada a quan­ti­dade de mate­ri­ais edu­ca­cionais gra­tu­itos sobre SEO que pub­li­camos até agora.

    Não me enten­da mal. Não estou a diz­er que qual­quer um destes exem­p­los seja uma for­ma infalív­el de obter uma lig­ação. Estas são ape­nas opor­tu­nidades de lig­ações razoáveis ​​para seguir.

    2. Criação de ativos vinculáveis

    É pos­sív­el con­stru­ir lig­ações para qual­quer pági­na com força de von­tade e deter­mi­nação sufi­cientes, mas a vida é mais fácil quan­do tem algo para o qual as pes­soas dese­jam real­mente cri­ar uma ligação.

    Ao falar sobre ativos ligáveis, as pes­soas ten­dem a pen­sar em coisas muito especí­fi­cas como:

    • Fer­ra­men­tas e cal­cu­lado­ras online;
    • Info­grá­fi­cos, GIFo­grá­fi­cos e “grá­fi­cos de mapas”;
    • Prémios e classificações;
    • Estu­dos e pesquisas;
    • Guias e tuto­ri­ais de “como fazer”;
    • Definições e ter­mos inventados.

    Mas eu diria que o con­ceito de “ativos ligáveis” deve ser mais flexív­el no que diz respeito ao que pode ser qual­i­fi­ca­do como tal. Quer diz­er, uma úni­ca ideia do seu arti­go pode moti­var as pes­soas a cri­ar uma lig­ação para ele, assim como a mera existên­cia da sua empre­sa ou dos seus produtos.

    Como exem­p­lo do ante­ri­or, aqui estão duas lig­ações que temos para o nos­so guia sobre palavras-chave de cau­da longa:

    Cada lig­ação faz refer­ên­cia a uma parte difer­ente do mes­mo arti­go, tor­nan­do ambas as partes “ativos ligáveis” por dire­ito próprio:

    1. A ideia de que palavras-chave de cau­da lon­ga não são definidas pelo seu com­pri­men­to, mas sim pela sua popularidade;
    2. Uma estatís­ti­ca que saiu do nos­so estu­do interno.

    E aqui estão mais dois exem­p­los de alguém que faz refer­ên­cia à Ahrefs como uma empre­sa e out­ra pes­soa que cria uma lig­ação para um dos nos­sos produtos:

    Nen­hu­ma destas lig­ações foi solic­i­ta­da de for­ma algu­ma. Estas pes­soas tomaram as suas próprias decisões edi­to­ri­ais para cri­ar uma lig­ação para nós, que foram moti­vadas pelo val­or que estas refer­ên­cias tin­ham para os seus leitores:

    1. Para apren­der mais sobre um con­ceito (um tan­to confuso);
    2. Para estu­dar a fonte de uma estatís­ti­ca interessante;
    3. Para ver um exem­p­lo de uma empre­sa de produtos;
    4. Para explo­rar um pro­du­to útil.

    Por­tan­to, não se apresse em desen­volver cal­cu­lado­ras, cri­ar info­grá­fi­cos ou realizar pesquisas para atrair back­links para o seu web­site. Reserve um momen­to para voltar e rev­er o que já tem e se o pode “reem­balar” de uma for­ma que o torne mais notável:

    • O que faz a sua empre­sa destacar-se? Isto é men­ciona­do na sua pági­na inicial?
    • Os seus pro­du­tos são de algu­ma for­ma úni­cos? Tem pági­nas ded­i­cadas para cada pro­du­to que expli­cam a sua sin­gu­lar­i­dade e utilidade?
    • Tem ideias de pon­ta sobre a sua indús­tria? Essas ideias são trans­mi­ti­das de maneira ade­qua­da no seu con­teú­do? Quão suave é a sua escri­ta em geral?

    É prováv­el que haja muitas opor­tu­nidades para mel­ho­rar as suas pági­nas exis­tentes e torná-las mais dig­nas de lig­ações antes de inve­stir tem­po e esforço na cri­ação de ‘iscos de ligações’.

    Mas e se fos­se especi­fi­ca­mente encar­rega­do de cri­ar um novo ati­vo ligáv­el para um web­site? Como garante que tudo o que cri­ar terá sucesso?

    Bem, como já par­til­hei na seção ante­ri­or, deve começar por estu­dar os ativos ligáveis ​dos seus con­cor­rentes e desco­brir o que os tornou bem-suce­di­dos. Tam­bém deve rev­er os for­matos de ativos ligáveis ​​com­pro­va­dos e ver se algum deles seria uma boa opção para a sua situação.

    Mas a pesquisa é a parte fácil. Depois que acei­ta uma ideia promis­so­ra, o que impor­ta é a exe­cução. E isto estaria fora do escopo deste “guia para principiantes”.

    3. Promoção de conteúdo

    Ago­ra, impor­ta o quão “ligáveis” as suas pági­nas são, as pes­soas não podem conec­tar-se a elas sem primeiro desco­bri-las. Por out­ras palavras, mes­mo os mel­hores ativos ligáveis ​​pre­cisam ser pro­movi­dos para atrair ligações.

    De um modo ger­al, exis­tem ape­nas três for­mas de pro­mover con­teú­do:

    1. Pub­li­ci­dade;
    2. Divul­gação;
    3. Comu­nidades.

    Publicidade

    Isto parece bas­tante sim­ples, cer­to? Pode pagar a web­sites como Google, Face­book e Twit­ter para atrair vis­i­tantes para a sua pági­na. Tam­bém pode entrar em con­tac­to com prati­ca­mente qual­quer web­site em que o seu públi­co se encon­tre e fechar um acor­do de pub­li­ci­dade com eles.

    A quan­tas mais pes­soas chega o anún­cio do seu con­teú­do, maiores são as hipóte­ses de alguém cri­ar uma lig­ação para ele.

    Porém, há um prob­le­ma. É quase impos­sív­el atribuir as lig­ações adquiri­das ao din­heiro investi­do em pub­li­ci­dade (emb­o­ra ten­hamos ten­ta­do).

    Por­tan­to, não pode prom­e­ter ao seu chefe dez lig­ações de alta qual­i­dade para uma pági­na se ele con­cor­dar em inve­stir 1.000 dólares em anún­cios do Facebook.

    Mas a pági­na para a qual dese­ja obter lig­ações provavel­mente tam­bém tem algum propósi­to com­er­cial, certo?

    Aqui estão três razões comuns pelas quais as empre­sas investem na cri­ação de conteúdo:

    1. Para obter leads e aumen­tar o seu público;
    2. Para obter clientes e faz­er vendas;
    3. Para aumen­tar o con­hec­i­men­to da mar­ca e mel­ho­rar a fidel­i­dade do cliente.

    Se o seu con­teú­do o aju­da com qual­quer um destes três obje­tivos, então não deve ter prob­le­mas em jus­ti­ficar um orça­men­to de pub­li­ci­dade para isto.

    E se uma deter­mi­na­da pági­na não o aju­dar com nada dis­to, então pre­cisa de se per­gun­tar como jus­ti­fi­cou o gas­to de tem­po e recur­sos para criá-la em primeiro lugar.

    Noutras palavras, as lig­ações devem ser um sub­pro­du­to da pub­li­ci­dade do seu con­teú­do, não o objetivo.

    Divulgação

    A divul­gação é provavel­mente a mel­hor maneira de colo­car o seu con­teú­do na frente dos “linkarati” — pes­soas que têm web­sites e podem cri­ar lig­ações para si.

    Sim, estas mes­mas pes­soas provavel­mente podem ser alcançadas com pub­li­ci­dade, mas um email pes­soal bem elab­o­ra­do seria muito mais efi­caz se quis­er aumen­tar as suas hipóte­ses de obter uma lig­ação delas.

    Não fal­tam arti­gos que o ensi­nam a escr­ev­er emails de divul­gação ade­qua­dos. Eu tam­bém par­til­hei os meus pen­sa­men­tos sobre este assun­to aqui no Blog da Ahrefs. Mas se eu pudesse dar-lhe ape­nas uma úni­ca dica de divul­gação, seria esta:

    Em vez de pedir descarada­mente a alguém para cri­ar uma lig­ação para si ali mes­mo, tente impres­sioná-los com o seu con­teú­do e faz­er com que o queiram ver.

    O que quer faz­er é plan­tar ele­gan­te­mente uma ideia úni­ca do seu con­teú­do na cabeça deles, para que eles queiram men­cioná-la num próx­i­mo arti­go — mais ou menos como o que fiz aqui ao ten­tar pro­mover o meu pequeno estudo:

    Iní­cio da divul­gação de ligação.

    Comunidades

    As comu­nidades podem ser óti­mas para pro­mover o seu con­teú­do para públi­cos rel­e­vantes. Qual­quer que seja o setor em que atua, é prováv­el que haja um sub­red­dit onde estão pes­soas que pen­sam igual a si ou talvez alguns gru­pos no Face­book, Slack ou Dis­cord. Tam­bém pode encon­trar um web­site de comu­nidade inde­pen­dente em deter­mi­na­dos nichos.

    Mas pro­mover o seu con­teú­do nes­tas comu­nidades não é tão fácil quan­to pode pare­cer. Não pode sim­ples­mente entrar numa comu­nidade, largar a sua lig­ação lá e ir emb­o­ra. Será ban­ido num pis­car de olhos.

    Pre­cisa de se tornar um mem­bro ati­vo dessa comu­nidade e gan­har algum respeito dos res­i­dentes antes de ter per­mis­são para pro­mover o seu con­teú­do lá. E mes­mo assim, não deve pub­licar cada novo con­teú­do que pro­duz nes­ta comu­nidade, por medo de irri­tar os seus mem­bros e des­perdiçar a sua rep­utação. Por­tan­to, cer­ti­fique-se de reser­var isto ape­nas para o seu mel­hor trabalho.

    Uma out­ra estraté­gia é con­stru­ir a sua própria comu­nidade que ficaria feliz em ser noti­fi­ca­da sobre cada novo con­teú­do que pub­licar. Aqui na Ahrefs, ofer­e­ce­mos às pes­soas três opções para se conectarem conosco:

    1. Seguir-nos no Twitter;
    2. Jun­tar-se ao bole­tim infor­ma­ti­vo por email do nos­so blog;
    3. Jun­tar-se ao nos­so grupo pri­va­do no Face­book.

    Estes três “canais” dão aos nos­sos arti­gos recém-pub­li­ca­dos um pouco de tração ini­cial. Mas lev­a­mos alguns anos para construí-los.

    4. Blog de convidado

    Todos os blog­gers dese­jam pub­licar con­teú­do de alta qual­i­dade que tra­ga val­or ao seu públi­co, cer­to? Mas faz­er isto de for­ma con­sis­tente é um grande desafio. Esta é parte da razão pela qual muitos pro­pri­etários de blogs aceitam arti­gos de con­vi­da­dos nos seus blogs.

    O blog de con­vi­da­dos tornou-se tão pop­u­lar no mun­do do SEO e foi explo­rado de for­ma tão ridícu­la que o Matt Cutts, ex-chefe da equipe de spam na Web do Google, declar­ou a sua morte imi­nente em 2014.

    Então colo­quem uma pedra nis­to: o blog de con­vi­da­do está morto.”

    Matt Cutts
    Matt Cutts, ex-chefe de spam na Web, Google

    E, no entan­to, aqui esta­mos nós em 2021 e todos os profis­sion­ais de con­strução de lig­ações com quem con­ver­sei ain­da con­sid­er­am o blog de con­vi­da­do uma das maneiras mais efi­cazes de con­stru­ir ligações.

    Tudo que pre­cisa de faz­er para per­manecer nas boas graças do Google é escol­her blogs legí­ti­mos e ofer­e­cer-lhes con­teú­do que gostaria de pub­licar no seu próprio web­site. Pagar a alguém 10 dólares por um arti­go de 500 palavras e enviá-lo para um blog de ter­ceira cat­e­go­ria com zero tráfego e seguidores já não é suficiente.

    Mas aqui está o prob­le­ma: blogs legí­ti­mos não pre­cisam dos seus arti­gos de con­vi­da­dos. Eles estão a ir muito bem por con­ta própria, o que é exata­mente o que os tor­na “legí­ti­mos”.

    Então, como os con­vence a pub­licar o seu conteúdo?

    Bem, além de real­mente ter algo sig­ni­fica­ti­vo a diz­er, jun­ta­mente com algu­ma habil­i­dade e exper­iên­cia em redação, ten­ho duas boas dicas que devem ajudá-lo.

    1. Construa o seu caminho

    É improváv­el que os prin­ci­pais blogs do seu setor lev­em o seu argu­men­to de ven­da a sério, a menos que ten­ha um históri­co sóli­do de arti­gos pub­li­ca­dos em blogs semelhantes.

    Por­tan­to, antes de lançar o blog que está em 1º lugar no seu nicho, tente primeiro ser pub­li­ca­do no que está em 2º lugar. E antes de ten­tar no que está em 2º, tente ser pub­li­ca­do no da 3ª posição.

    Vê onde estou a ir com isso? Tem que começar com alguns blogs menos con­heci­dos no seu setor e grad­ual­mente con­stru­ir o seu cam­in­ho para cima.

    E se tem difi­cul­dade em encon­trar estes blogs menos con­heci­dos, temos uma fer­ra­men­ta poderosa para o aju­dar: Explo­rador de Con­teú­dos.

    Bas­ta seguir três pas­sos simples:

    1. Pesquise uma palavra ou frase que os blogs do seu setor provavel­mente men­cionaram nos títu­los dos artigos;
    2. Defi­na o fil­tro “Clas­si­fi­cação de domínio” para um inter­va­lo de 30–40;
    3. Uti­lize a con­fig­u­ração “Uma pági­na por domínio” para ver ape­nas um arti­go de cada blog.

    Como pode ver na cap­tura de ecrã aci­ma, a pesquisa pela palavra “bife” retor­na 9.227 pági­nas de web­sites com pon­tu­ações de DR de 30 a 40.

    Ago­ra tudo o que pre­cisa faz­er é exam­i­nar os blogs em que eles estão e esti­mar as suas hipóte­ses de ser lá pub­li­ca­do. Se os blogs pare­cerem muito fra­cos ou fortes para si, pode sem­pre ajus­tar o fil­tro de DR até encon­trar o pon­to ide­al de “autori­dade” do blog que se sin­ta con­fortáv­el em contactar.

    Para restringir ain­da mais os seus resul­ta­dos, tam­bém pode ten­tar usar o fil­tro “Tráfego do web­site”, que pode ajudá-lo a con­cen­trar-se em blogs que obtêm uma deter­mi­na­da quan­ti­dade de tráfego do Google (con­forme esti­ma­do pela Ahrefs).

    2. Faça uma oferta irresistível

    Como men­cionei ante­ri­or­mente, todos os blog­gers dese­jam pub­licar con­teú­do de alta qual­i­dade que seja útil para o seu públi­co. Por­tan­to, quan­to mel­hor for o seu con­teú­do, maiores serão as hipóte­ses de publicá-lo.

    E, no entan­to, a maio­r­ia dos blog­gers pop­u­lares recebe dezenas de sug­estões de pub­li­cações de con­vi­da­do semel­hantes todas as sem­anas, ofer­e­cen­do-lhes “con­teú­do de alta qual­i­dade, exclu­si­vo e valioso” (o que na real­i­dade não é nada bom). Então, como se desta­ca no meio de todo este ruí­do e chama a atenção de blog­gers pop­u­lares com a sua sug­estão de pub­li­cação de convidado?

    Bem, uma das mel­hores for­mas de o faz­er é encon­trar uma “lacu­na de con­teú­do” — um tópi­co pop­u­lar que está a atrair muito tráfego de pesquisa para um dos seus con­cor­rentes, mas não é abor­da­do no seu próprio blog.

    Aqui na Ahrefs, temos uma fer­ra­men­ta útil que o aju­da a encon­trar lacu­nas de con­teú­do entre web­sites com um nome muito sim­ples: Lacu­na de con­teú­do.

    Dig­amos que decid­iu lançar um arti­go como con­vi­da­do para o Bri­an Dean. Pode usar esta fer­ra­men­ta para desco­brir que tópi­cos ger­am muito tráfego de pesquisa para o blog da Ahrefs que o Bri­an não abordou.

    1. Insira o web­site do Bri­an no Explo­rador de Web­sites;
    2. Vá à fer­ra­men­ta Lacu­na de Conteúdo;
    3. Insira o Blog da Ahrefs como concorrente;
    4. Clique em “Mostrar palavras-chave”;
    5. Pro­cure palavras-chave que des­pertem o seu interesse;
    6. Clique na pági­na para ver­i­ficar o tráfego orgânico

    E aí está. Numa questão de segun­dos encon­trou um óti­mo tópi­co que traz 11 mil vis­i­tas men­sais ao Blog da Ahrefs, mas ain­da não foi abor­da­do no blog do Backlinko.

    Abor­dar o Bri­an com este tópi­co especí­fi­co e explicar como o seu arti­go se destacaria aumen­tará dras­ti­ca­mente as suas hipóte­ses de ser pub­li­ca­do, em com­para­ção com um tipo genéri­co de “Eu pos­so escr­ev­er um arti­go de alta qual­i­dade para si”.

    Out­ra for­ma inter­es­sante de se destacar com o seu argu­men­to de ven­da de pub­li­cação de con­vi­da­do é ofer­e­cer-se para ree­scr­ev­er um dos arti­gos anti­gos deles com baixo desempenho.

    E se .. ..em vez de faz­er uma ofer­ta para escr­ev­er uma pub­li­cação de con­vi­da­do para alguém … ..encon­trasse uma pub­li­cação anti­ga e desat­u­al­iza­da que diminuiu em tráfego de pesquisa e ofer­e­cer-se para o reescrever?


    Emb­o­ra seja tec­ni­ca­mente pos­sív­el con­stru­ir lig­ações com ape­nas um pouco de poder cere­bral e uma con­ta de email, há uma série de fer­ra­men­tas de con­strução de lig­ações que aju­darão a tornar o proces­so de aquisição de lig­ações muito mais fácil.

    Vamos rev­er qua­tro tipos de fer­ra­men­tas que podem ajudá-lo a con­stru­ir ligações:

    1. Fer­ra­men­tas de Pesquisa de Back­links;
    2. Fer­ra­men­tas de Pesquisa de Con­teú­do;
    3. Fer­ra­men­tas de Mon­i­tor­iza­ção da Web;
    4. Fer­ra­men­tas de Divul­gação por Email.

    Como já sabe, estu­dar as lig­ações dos seus con­cor­rentes é extrema­mente útil ao desen­volver uma estraté­gia de con­strução de lig­ações acionáv­el para o seu próprio website.

    O Explo­rador de Web­sites da Ahrefs é ampla­mente con­sid­er­a­do como a fer­ra­men­ta de pesquisa de back­links favorita da indús­tria.

    Insira qual­quer web­site ou URL e obterá uma lista exten­sa de todos os back­links que apon­tam para ele, com muitas métri­c­as e fil­tros úteis para o aju­dar a encon­trar opor­tu­nidades de con­strução de lig­ações acionáveis.

    Algu­mas out­ras empre­sas de fer­ra­men­tas de SEO que oper­am o seu próprio índice de lig­ações são a Moz, o Majes­tic e o Semrush.

    2. Ferramentas de Pesquisa de Conteúdo

    As fer­ra­men­tas de pesquisa de con­teú­do elim­i­nam as suposições na con­strução de con­teú­do par­til­háv­el e dig­no de lig­ação. Pode uti­lizá-los para encon­trar ângu­los de con­teú­do que ger­aram muitas lig­ações e par­til­has e aproveitar essas descober­tas para cri­ar o seu próprio conteúdo.

    O Explo­rador de Con­teú­do da Ahrefs é exe­cu­ta­do num índice enorme de mais de cin­co mil mil­hões de pági­nas e ajuda‑o a desco­brir facil­mente con­teú­do dig­no de nota em qual­quer setor.

    Bas­ta pesquis­ar um tópi­co sobre o qual dese­ja escr­ev­er nos títu­los das pági­nas e ordenar os resul­ta­dos por domínios de refer­ên­cia (web­sites com lig­ações). O estu­do destas pági­nas e das suas lig­ações deve lhe dar muitas ideias sobre como mel­ho­rar o seu próprio conteúdo.

    Out­ra fer­ra­men­ta com fun­cional­i­dade semel­hante é o Buz­zsumo. No entan­to, dá pri­or­i­dade às par­til­has soci­ais sobre as métri­c­as de SEO.

    3. Ferramentas de Monitorização da Web

    As fer­ra­men­tas de mon­i­tor­iza­ção da Web aler­tam sobre pági­nas recém-pub­li­cadas que men­cionam a sua palavra-chave ou novos back­links adquiri­dos pelos seus con­cor­rentes. Ambos os aler­tas podem servir como uma grande fonte de opor­tu­nidades de con­strução de ligações.

    O Ahrefs Alerts faz um bom tra­bal­ho com os dois tipos de aler­tas: back­links e menções de palavras-chave.

    Algu­mas out­ras fer­ra­men­tas de mon­i­tor­iza­ção da web que pode quer­er tes­tar são Google Alerts, Men­tion, e Brand24.

    4. Ferramentas de Divulgação por Email

    As fer­ra­men­tas de alcance de email aju­dam a gerir e ras­trear cam­pan­has de con­strução de lig­ações. Tam­bém sim­pli­fi­cam o proces­so de local­iza­ção de poten­ci­ais clientes, cri­ação de mod­e­los de divul­gação, envios de acom­pan­hamen­to e muito mais.

    Exis­tem muitas opções para escol­her, mas a fer­ra­men­ta cer­ta para si depen­derá das suas táti­cas e proces­sos, escala de oper­ações e orçamento.

    Per­gun­ta­mos à nos­sa comu­nidade do Face­book quais eram os seus favoritos e aqui está o que obtivemos:

    Algu­mas fer­ra­men­tas inter­es­santes de divul­gação por email que não foram men­cionadas pela nos­sa comu­nidade são Never­bounce e Clearout.io.

    Vamos encerrar isto

    Este guia acabou com mais de 9.000 palavras e ain­da assim nós ape­nas tocamos a super­fí­cie do que a con­strução de lig­ações envolve.

    No entan­to, esper­amos que este guia esclareça muitas coisas e respon­da à maio­r­ia das per­gun­tas urgentes que tem sobre a con­strução de lig­ações. Deve servir como uma base sól­i­da para apren­der ain­da mais sobre con­strução de ligações.

    Quero ter­mi­nar por agrade­cer (e dan­do uma lig­ação) a um grupo de profis­sion­ais de con­strução de lig­ações ded­i­ca­dos que gen­til­mente con­cor­daram em par­til­har a sua exper­iên­cia em primeira mão comi­go ao pesquis­ar para este guia:

    Obri­ga­do! 🙂

    • Websites com ligações 3
    Dados de Explorador de Conteúdo