SEO na página: Guia Completo para Principiantes

Avatar
Head of Content @ Ahrefs (or, in plain English, I'm the guy responsible for ensuring that every blog post we publish is EPIC).
A maio­r­ia das pes­soas pen­sa que não há nada mais no SEO da pági­na do que polvil­har algu­mas palavras-chave aqui e ali. Isto é fal­so. Emb­o­ra o lugar onde se colo­ca a palavra-chave ain­da seja impor­tante, é muito menos impor­tante do que cos­tu­ma­va ser.

Emb­o­ra a otimiza­ção na pági­na não seja tão sim­ples como antes, ain­da é indisc­u­tivel­mente a parte mais fácil do SEO. É uma das pou­cas coisas sobre as quais tem con­tro­lo total e que não requer mui­ta habil­i­dade téc­ni­ca. Se sabe faz­er edições bási­cas num web­site, escreve (ou con­hece alguém que o faz) e está dis­pos­to a faz­er um pouco de pesquisa, pode fazê-la bem.

Vamos começar.

Chapters


    Vamos primeiro cer­ti­ficar-nos de que enten­demos o que é SEO na pági­na e porque é que é importante.

    O que é SEO na página?

    SEO na pági­na (tam­bém con­heci­do por SEO no site) é a práti­ca de otimizar pági­nas da web para obter uma posição mais ele­va­da nos motores de bus­ca. Inclui otimiza­ções para con­teú­do visív­el e o códi­go-fonte HTML.

    Porque é que o SEO na página é importante?

    O Google anal­isa o con­teú­do da sua pági­na para deter­mi­nar se é um resul­ta­do rel­e­vante para a pesquisa. Parte deste proces­so envolve a procu­ra por palavras-chave.

    Cap­tura de ecrã da pági­na ‘Como fun­ciona a pesquisa’ do Google.

    Mas o SEO na pági­na não é só incluir palavras-chave no seu con­teú­do — é muito mais.

    Em últi­ma análise, o Google procu­ra o resul­ta­do de pesquisa mais rel­e­vante para deter­mi­na­da pesquisa, por isso os seus algo­rit­mos tam­bém procu­ram out­ro con­teú­do rel­e­vante na pági­na. Se a sua pági­na é sobre cães e não men­ciona raças difer­entes, o Google sabe que provavel­mente exis­tem resul­ta­dos mais rel­e­vantes por aí.

    A relevân­cia é uma parte tão impor­tante do SEO na pági­na que, a menos que a decifre, é improváv­el que este­ja classificado.


    Antes mes­mo de pen­sar em faz­er otimiza­ções ‘téc­ni­cas’, como colo­car palavras-chave aqui ou ali, pre­cisa de cri­ar o con­teú­do que o Google quer posi­cionar. Para isso, pre­cisa de ter em mente uma palavra-chave-alvo prin­ci­pal. Leia o nos­so guia de pesquisa de palavras-chave se este não fôr o caso.

    Caso con­trário, aqui estão as qua­tro coisas que pre­cisa de dominar:

    1. Seja rel­e­vante
    2. Seja min­u­cioso
    3. Seja úni­co
    4. Seja claro

    1. Seja relevante

    Relevân­cia é sem dúvi­da a parte mais impor­tante do SEO na pági­na, o que sig­nifi­ca alin­har o seu con­teú­do com a intenção de pesquisa. Deixe de dar aos uti­lizadores o que eles querem e as suas chances de se posi­cionar são quase nulas.

    Como ninguém entende a intenção de pesquisa mel­hor do que o Google, o mel­hor pon­to de par­ti­da é anal­is­ar os resul­ta­dos do posi­ciona­men­to atu­al para os três Cs da intenção de pesquisa:

    1. Tipo de conteúdo
    2. For­ma­to do conteúdo
    3. Ângu­lo do conteúdo

    Já abor­damos breve­mente este con­ceito no nos­so guia de pesquisa de palavras-chave. Mas ire­mos um pouco mais a fun­do aqui, pois alin­har o seu con­teú­do com a intenção é crítico.

    1. Tipo de conteúdo

    Os tipos de con­teú­do geral­mente enquadram-se num de cin­co gru­pos: arti­gos no blog, pro­du­to, cat­e­go­ria, pági­nas de des­ti­no ou vídeos. Por exem­p­lo, todas as pági­nas de posi­ciona­men­to supe­ri­or para “vesti­do maxi pre­to” são pági­nas da cat­e­go­ria de comér­cio eletróni­co de lojas conhecidas.

    Posi­ciona­men­to dos EUA para “vesti­do maxi” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Se quer posi­cionar-se para esta palavra-chave, é improváv­el que isto acon­teça com uma pub­li­cação de blog. Os uti­lizadores estão no modo de com­pra, não no modo de aprendizagem.

    Para algu­mas palavras-chave, no entan­to, as coisas não são assim tão claras.

    Se obser­var­mos os resul­ta­dos mel­hor posi­ciona­dos para “plan­tas”, verá uma mis­tu­ra de pági­nas de lojas online e pub­li­cações de blog.

    Posi­ciona­men­to nos EUA para “plan­tas” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Se isto acon­te­cer, use o seu bom dis­cern­i­men­to. Neste caso, emb­o­ra haja uma divisão de aprox­i­mada­mente 50/50 entre pub­li­cações de blog e pági­nas de comér­cio online nos resul­ta­dos, as três prin­ci­pais são pági­nas de comér­cio online. Isto diz-nos que a maio­r­ia dos uti­lizadores está às com­pras, não a apren­der, então provavel­mente terá mais hipóte­ses de se posi­cionar para essa palavra-chave com uma pági­na de comér­cio online.

    2. Formato de conteúdo

    O for­ma­to do con­teú­do apli­ca-se prin­ci­pal­mente a pub­li­cações de blog, já que geral­mente são instruções, lis­tas, notí­cias, arti­gos de opinião ou críticas.

    Por exem­p­lo, todos os resul­ta­dos de “forçar reini­cial­iza­ção do iPad” são tuto­ri­ais, sem con­tar com os da apple.com.

    Rank­ings nos EUA para “forçar reini­cial­iza­ção do ipad” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Para a palavra-chave “ideias de mar­ket­ing”, são todas listas.

    Posi­ciona­men­to nos EUA para “ideias de mar­ket­ing” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Para ter boas hipóte­ses de posi­ciona­men­to para qual­quer uma destas palavras-chave deve seguir o exem­p­lo. Ten­tar posi­cionar um lis­ti­cle quan­do os uti­lizadores dese­jam um guia práti­co será uma batal­ha desnivelada.

    No entan­to, como acon­tece com o tipo de con­teú­do, o SERP nem sem­pre é tão claro como nos exem­p­los acima.

    Bas­ta dar uma olhadela nas pági­nas mais bem posi­cionadas para saber “como con­seguir mais assi­nantes no youtube”. Há uma mis­tu­ra bas­tante homogénea de for­matos, nomeada­mente ‘como faz­er’ e listicles.

    Rank­ings nos EUA para “como con­seguir mais assi­nantes no youtube” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Neste caso, como “como faz­er” está na palavra-chave-alvo, este seria provavel­mente o mel­hor cam­in­ho a per­cor­rer. Mas é impor­tante notar que não existe exata­mente uma respos­ta defin­i­ti­va. Toda a gente vê as coisas de maneira difer­ente, e pode ir por um lado ou pelo out­ro. Escol­he­mos o for­ma­to de lista para a nos­sa pub­li­cação sobre como con­seguir mais assi­nantes no YouTube porque pare­cia encaixar mel­hor nas dicas que queríamos partilhar. 

    A nos­sa pági­na na posição # 9 para “como con­seguir mais assi­nantes do YouTube.”

    2. Ângulo de conteúdo

    Ângu­lo do con­teú­do ref­ere-se ao prin­ci­pal ‘argu­men­to de ven­da’ do con­teú­do. Por exem­p­lo, quem procu­ra “como faz­er café com leite” parece quer­er saber como fazê-lo em casa — sem equipa­men­to especializado.

    Posi­ciona­men­to nos EUA para “como faz­er café com leite” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Para o “mel­hor mac­book”, as pes­soas estão clara­mente à procu­ra de resul­ta­dos novos.

    Posi­ciona­men­to nos EUA para “mel­hor mac­book” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Caso ain­da não ten­ha cap­ta­do a essên­cia, o ângu­lo do con­teú­do nem sem­pre é tão claro. Se obser­var os prin­ci­pais resul­ta­dos para “recei­ta de arroz frito”, verá que há vários ângu­los: mel­hor, fácil, esti­lo restau­rante, etc.

    posi­ciona­men­to nos EUA para “recei­ta de arroz frito” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Neste caso, o ângu­lo de con­teú­do per­feito é uma incóg­ni­ta. Escol­ha o ângu­lo que acha que seria mais atraente e útil para alguém que está procu­ra de “como faz­er arroz frito.” 

    Dica Profis­sion­al

    Emb­o­ra seja impor­tante alin­har o con­teú­do com o que os uti­lizadores esper­am, nem sem­pre vai quer­er seguir o reban­ho. Se tem a certeza de que pode chamar a atenção dos uti­lizadores com um tipo difer­ente de con­teú­do, for­ma­to ou ângu­lo, sin­ta-se à von­tade para tentar.

    2. Seja minucioso

    Ter con­teú­do cujos traços gerais estão alin­hados com a intenção de pesquisa é um bom começo, mas rara­mente é o sufi­ciente. Para mere­cer um lugar na primeira pági­na do Google, aque­le pre­cisa de cumprir a sua promes­sa. E isto sig­nifi­ca abranger tudo o que os uti­lizadores esper­am e dese­jam ver.

    Con­sideran­do que iden­ti­fi­cou os três Cs da intenção de pesquisa, provavel­mente já tem uma ideia aprox­i­ma­da do que os uti­lizadores podem quer­er ver. Por exem­p­lo, se está a escr­ev­er sobre como com­prar Bit­coin e as pági­nas no topo são para ini­ciantes, provavel­mente não seria sábio explicar a blockchain em grande detalhe.

    No entan­to, a análise dos três Cs fornece ape­nas uma visão panorâmi­ca da intenção. Para enten­der mel­hor o que o seu con­teú­do deve abranger, pre­cisa de ir mais a fun­do e anal­is­ar as pági­nas rel­e­vantes com mel­hor posi­ciona­men­to, em maior detalhe.

    A palavra-chave aqui é “rel­e­vante”. Se tem como alvo a palavra-chave “mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe” e planeia escr­ev­er uma pub­li­cação sobre os mel­hores con­jun­tos, então não faz sen­ti­do anal­is­ar e inspi­rar-se nas pági­nas de comér­cio online mel­hor clas­si­fi­cadas ou pub­li­cações sobre tacos especí­fi­cos. Quer anal­is­ar pági­nas semel­hantes à sua.

    Vamos ver como faz­er isso.

    Procure por subtítulos comuns

    A maio­r­ia das pági­nas divide um tópi­co em sub­tópi­cos com sub­tí­tu­los. Estes ofer­e­cem per­cepções ráp­i­das sobre o que os uti­lizadores procu­ram, espe­cial­mente se notar os mes­mos sub­tí­tu­los ou out­ros com semel­hanças em várias páginas.

    Por exem­p­lo, se ver­i­fi­car­mos os sub­tí­tu­los de out­ros guias de SEO na pági­na, ver­e­mos que cada pági­na apre­sen­ta uma definição.

    Da pági­na #1 para “SEO na página”.

    Da pági­na #2 para “SEO na página”.

    Da pági­na #3 para “SEO na página”.

    Dado que todas as pági­nas rel­e­vantes posi­cionadas no topo incluem isto, é razoáv­el con­cluir que é algo que os uti­lizadores querem saber. O Google provavel­mente sabe que as pági­nas que cobrem estas coisas lev­am a uma maior sat­is­fação do uti­lizador do que aque­las que não o fazem — e opta por posi­cioná-las melhor.

    Se estiv­er a escr­ev­er um lis­ti­cle, tam­bém pode olhar para os sub­tí­tu­los para com­preen­der sobre pro­du­tos, serviços ou dicas especí­fi­cas que pode quer­er incluir.

    Por exem­p­lo, se usar­mos o relatório na-pági­na gra­tu­ito na bar­ra de fer­ra­men­tas SEO da Ahrefs, verá que as pági­nas mel­hor posi­cionadas dos “mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe” men­cionam alguns dos mes­mos conjuntos.

    Sub­tí­tu­los na pági­na # 1 para “mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe” através da bar­ra de fer­ra­men­tas de SEO da Ahrefs.

    Sub­tí­tu­los na pági­na 2 para “mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe” através da bar­ra de fer­ra­men­tas de SEO da Ahrefs

    Lem­bre-se de seguir esta abor­dagem com uma pita­da de sal. Se a sua palavra-chave fôr ‘mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe’ e todas as pági­nas posi­cionadas no topo men­cionarem um con­jun­to que sabe que é ter­rív­el, não deve incluí-lo ape­nas porque toda a gente o fez. 

    Procure por subtópicos nos rankings da palavra-chave

    De acor­do com o nos­so estu­do de três mil­hões de con­sul­tas de pesquisa, a média das pági­nas com mel­hor posição é posi­ciona­da para quase 1.000 out­ras palavras-chave rel­e­vantes entre as 10 primeiras.

    Muitas destas palavras-chave são out­ras maneiras de pesquis­ar a mes­ma coisa. Por exem­p­lo, se inserir­mos a pági­na mel­hor posi­ciona­da para ‘mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe’ no Explo­rador de web­sites da Ahrefs e ver­i­fi­car­mos o relatório de palavras-chave orgâni­cas, ver­e­mos que tam­bém se posi­ciona para palavras-chave como:

    • mel­hor con­jun­to de tacos de golfe
    • mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe 2020
    • bom con­jun­to de tacos de golfe
    • mel­hores con­jun­tos com­ple­tos de golfe
    • mel­hor con­jun­to de golfe

    Cap­tura de ecrã do Explo­rador de web­sites da Ahrefs.

    Mas algu­mas palavras-chave rep­re­sen­tarão sub­tópi­cos que se enquadram no tópi­co mais abrangente.

    Por exem­p­lo, esta mes­ma pági­na tam­bém está entre as 10 primeiras em:

    • con­jun­tos de tacos de golfe para homem
    • mel­hores tacos de golfe baratos
    • mel­hores mar­cas de tacos de golfe
    • con­jun­to de tacos de golfe com bolsa
    • mel­hores tacos de golfe amadores

    Cap­tura de ecrã do Explo­rador de web­sites da Ahrefs.

    Procu­rar sub­tópi­cos nas palavras-chave das pági­nas rel­e­vantes mel­hor posi­cionadas é uma exce­lente maneira de encon­trar coisas que pode quer­er referir no seu conteúdo.

    Out­ra maneira de faz­er isso é procu­rar inter­seções de palavras-chave entre várias pági­nas. Para faz­er isto, conecte alguns URLs de pági­na rel­e­vantes na fer­ra­men­ta de lacu­nas de con­teú­do da Ahrefs e, em segui­da, brinque com o número de inter­seções até obter um con­jun­to sig­ni­fica­ti­vo de resultados.

    Insira as pági­nas de mel­hor posição rel­e­vantes na fer­ra­men­ta de lacu­nas de con­teú­do da Ahrefs

    … em segui­da, ajuste a “inter­secção” através da seleção até ver as palavras-chave que rep­re­sen­tam os subtópicos.

    Veja as páginas manualmente

    Encon­trar sub­tí­tu­los e palavras-chave comuns é a maneira mais ráp­i­da de obter algu­mas infor­mações sobre o que abor­dar. Mas não pode apren­der tudo des­ta maneira. Não há sub­sti­tu­to para a análise man­u­al das pági­nas para enten­der mel­hor o assunto.

    Se abrir­mos as três pági­nas prin­ci­pais sobre os mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe, nota­mos que a maio­r­ia dos con­jun­tos apre­sen­ta­dos são con­jun­tos para ini­ciantes abaixo de $300. Nen­hum enu­mera os “mel­hores” con­jun­tos ver­dadeiros porque estes cus­tam mil­hares. Isto diz-nos que são prin­ci­pal­mente ini­ciantes que procu­ram esta palavra-chave, por­tan­to, não faz sen­ti­do avaliar pro­du­tos de últi­ma ger­ação, porque os uti­lizadores não vão achar isso útil.

    Além dis­so, vemos que a maio­r­ia das pági­nas prin­ci­pais lista prós e con­tras de cada conjunto.

    A pági­na nº 1 para “mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe” lista prós e contras…

    … e tam­bém a pági­na # 2.

    Isto dá-nos pis­tas sobre como deve­mos estru­tu­rar a nos­sa pub­li­cação para os uti­lizadores e os atrib­u­tos do pro­du­to com os quais eles mais se pre­ocu­pam. Por exem­p­lo, parece que a dura­bil­i­dade do saco é um pon­to de ven­da para quem procu­ra um con­jun­to de tacos.

    Veja os recursos do SERP

    Além de anal­is­ar pági­nas con­cor­rentes, tam­bém há algo a apren­der ver­i­f­i­can­do os recur­sos do SERP, como frag­men­tos em destaque e as caixas ‘As pes­soas tam­bém per­gun­tam’ (PAA).

    Por exem­p­lo, emb­o­ra não haja nen­hu­ma parte em destaque para ‘mel­hores clubes de golfe’, há uma caixa PAA. E essas per­gun­tas ofer­e­cem infor­mações sobre out­ras coisas que os uti­lizadores podem quer­er saber.

    A caixa ‘As pes­soas tam­bém per­gun­tam’ de “mel­hores con­jun­tos de tacos de golfe.”

    Esta penúl­ti­ma per­gun­ta diz-nos que os uti­lizadores provavel­mente estão pre­ocu­pa­dos com o preço e querem um con­jun­to de tacos de qual­i­dade por um preço jus­to. Isto con­fir­ma o que pen­samos após anal­is­ar man­ual­mente as pági­nas com mel­hor posi­ciona­men­to. A maio­r­ia dos uti­lizadores são quase cer­ta­mente ini­ciantes e não estão à procu­ra de tacos topo de gama.

    Se olhar­mos os resul­ta­dos de “como bal­ançar um taco de golfe”, vemos que o frag­men­to em destaque é um vídeo do YouTube.

    Vídeo do Youtube na parte em destaque de “como bal­ançar um taco de golfe.”

    Mes­mo que se alve­je esta palavra-chave com uma pub­li­cação de blog, o fato de haver um posi­ciona­men­to de vídeo no frag­men­to diz-nos que os uti­lizadores provavel­mente querem auxílios visuais. Por este moti­vo, faria sen­ti­do incluir vídeos ou ima­gens que demon­strem o swing na sua publicação.

    3. Seja único

    É vital dar aos uti­lizadores o que eles querem, mas tam­bém é pre­ciso traz­er algo de novo para a mesa. Se não fiz­er isto, o seu con­teú­do será como o de toda a gente. E ninguém quer cri­ar um link para out­ro con­teú­do “eu também”.

    Tudo o que abor­dá­mos até ago­ra deve ter forneci­do uma estru­tu­ra vence­do­ra para o seu con­teú­do, mas ain­da deve haver espaço para algu­ma criatividade.

    Por exem­p­lo, se olhar­mos o SERP para “dicas de SEO”, a intenção é clara. As pes­soas querem uma lista de dicas para mel­ho­rar o posi­ciona­men­to e aumen­tar o tráfego.

    Posi­ciona­men­to nos EUA para “dicas de SEO” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Foi isso que criá­mos, como pode ver na pub­li­cação em segun­do lugar. 

    Mas, emb­o­ra muitas das dicas na nos­sa lista não sejam exclu­si­vas, há algu­mas que não encon­trará em nen­hum out­ro lugar. Uma é inserir vídeos em pub­li­cações rel­e­vantes para obter tráfego do Google. Se alguém encon­trar a nos­sa pági­na, achar aque­la dica útil e decidir que dese­ja par­til­há-la com out­ras pes­soas, não terá escol­ha a não ser par­til­har ou cri­ar um link para a nos­sa página.

    É um pouco mais difí­cil faz­er isto com out­ros tipos de con­teú­do, mas não deixa de ser possível.

    Por exem­p­lo, pode pare­cer quase impos­sív­el faz­er uma pági­na de pro­du­to ou de cat­e­go­ria orig­i­nal, mas pode sem­pre uti­lizar coisas como:

    • Fil­tros melhores
    • Fotografia do pro­du­to melhor
    • Descrições dos pro­du­tos únicas
    • Avali­ações

    4. Seja claro

    Não impor­ta quão bem o con­teú­do este­ja alin­hado com a intenção de pesquisa ou quão com­ple­to este seja, ninguém o lerá se não fôr claro. Por exem­p­lo, a pági­na abaixo cor­re­sponde à intenção do uti­lizador para a palavra-chave “cerve­ja só com cereais” — mas é uma parede de tex­to minús­cu­lo que ninguém quer ler.

    Óti­mo resul­ta­do, mas é uma parede de texto!

    Siga estas dicas sim­ples para cri­ar con­teú­do per­cep­tív­el que as pes­soas vão quer­er ler:

    • Use pon­tos-chavepara aju­dar quem gos­ta de ler na diagonal.
    • Use sub­tí­tu­los des­critivos (H2-H6) para hierarquia.
    • Use ima­gens para desanu­viar o texto.
    • Use palavras sim­ples que todos pos­sam entender.
    • Use fras­es cur­tas e pará­grafos para evi­tar “pare­des de texto”.
    • Use um taman­ho de letra grande para aju­dar os leitores a evi­tar o cansaço visual.
    • Escre­va enquan­to fala para tornar as coisas mais diver­tidas e conversacionais.

    Tra­ta-se de facil­i­tar que os uti­lizadores encon­trem o que procu­ram. Se cobrir tudo o que as pes­soas querem saber na sua pági­na, mas estas não o con­seguem encon­trar, elas vão clicar no botão ‘voltar’ à procu­ra de uma pági­na que seja mais clara e fácil de digerir.

    Além do con­sel­ho aci­ma, tam­bém recomen­damos colo­car a ‘neces­si­dade de saber’ antes de ‘bom saber “. Isto é con­heci­do como o méto­do da pirâmide invertida.

    Por exem­p­lo, quan­do está­va­mos a escr­ev­er o nos­so guia para redi­re­ciona­men­tos 301 vs. 302, havia muito ter­reno para cobrir. Mas tam­bém sabíamos, através da análise do SERP, que a maio­r­ia dos uti­lizadores só que­ria saber a difer­ença entre os dois tipos de redi­re­ciona­men­to. Por­tan­to, emb­o­ra ten­hamos escrito um guia min­u­cioso expli­can­do os prós e os con­tras de ambos, fizé­mos questão de resumir a difer­ença prin­ci­pal numa frase no iní­cio da publicação.

    Se não tiv­er a certeza sobre o que é ‘bom saber’ e o que é ‘pre­ciso saber’ para o seu tópi­co, dê uma olhadela nas pági­nas com mel­hor posição. Se fiz­er­mos isto para o nos­so exem­p­lo de ‘mel­hores tacos de golfe’, ver­e­mos que todos lis­tam os prin­ci­pais con­jun­tos de tacos de golfe antes de entrar em detal­h­es sobre cada con­jun­to, então as pes­soas provavel­mente vão quer­er as mel­hores escol­has antes dos prós e con­tras e out­ras informações.


    Cri­ar o tipo de con­teú­do que o Google e os uti­lizadores querem ver é a parte difí­cil. Ago­ra só pre­cisa de otimizar a parte ‘téc­ni­ca’, como meta eti­que­tas e URLs. Esta é a cere­ja no topo do bolo e aju­da a deixar abso­lu­ta­mente claro para o Google e para os uti­lizadores que a sua pági­na é o mel­hor resultado. 

    Aqui está uma lista de ver­i­fi­cação rápida.

    1. Inclua a sua palavra-chave no título

    Os títu­los das pági­nas geral­mente são agru­pa­dos numa eti­que­ta H1. É provavel­mente por isso que incluir a sua palavra-chave no títu­lo é sabedo­ria de SEO con­ven­cional, des­de sempre.

    John Mueller, da Google, con­fir­mou a importân­cia dos títu­los em 2020.

    E quan­do se tra­ta de tex­to numa pági­na, um títu­lo é um sinal muito forte, dizen­do-nos que esta parte da pági­na é sobre este tópico.

    John Mueller
    John Mueller, Search Advo­cate Google

    Incluir a palavra-chave no títu­lo é óbvio para a maio­r­ia dos profis­sion­ais de SEO. Provavel­mente já as viu nos nos­sos títu­los de pub­li­cações antes.

    Palavras-chave nas nos­sas eti­que­tas de título.

    Sai­ba que nem sem­pre faz sen­ti­do usar a palavra-chave exa­ta no seu títu­lo, mas sim uma vari­ante aprox­i­ma­da. Por exem­p­lo, a palavra-chave alvo prin­ci­pal para esta pub­li­cação é “sub­con­tratação de SEO”, mas o títu­lo é “Como sub­con­tratar SEO (Sim­ple Framework).”

    Tam­bém é impor­tante que os títu­los con­tin­uem a soar nat­u­ral­mente, por isso use con­junções e palavras inter­rup­ti­vas quan­do necessário.

    2. Use URLs curtos e descritivos

    Endereços cur­tos e des­critivos aju­dam os uti­lizadores a enten­der do que tra­ta uma pági­na antes de clicar. 

    Por exem­p­lo, observe estes dois URLs:

    https://www.medicalnewstoday.com/articles/322345
    https://www.dietdoctor.com/how-to-lose-weight

    Ambas as pági­nas são quase a mes­ma coisa, mas isso não é óbvio a par­tir dos URLs. Ape­nas o segun­do URL infor­ma do que tra­ta a pági­na, o que o tor­na indisc­u­tivel­mente um resul­ta­do mais claro e mais clicáv­el nas SERPs.

    A maio­r­ia dos CMS per­mite que altere o slug de URL (a parte após o domínio e sub­pas­tas) facil­mente, e con­fig­urá-lo com a sua palavra-chave de des­ti­no cos­tu­ma ser a maneira mais sim­ples de otimizar. Faze­mos isto para quase todas as pub­li­cações do nos­so blog.

    Ten­ha em mente que este é out­ro caso onde deve usar a palavra-chave-alvo se e só se fiz­er sen­ti­do. Em alguns casos, uma vari­ação pode ser mel­hor. Por exem­p­lo, a nos­sa palavra-chave alvo para esta pub­li­cação é “quão lon­ga deve ser uma pub­li­cação no blog”. Mas como isto pare­cia um pouco lon­go e estran­ho, opta­mos por “taman­ho da pub­li­cação no blog”.

    Man­ter as coisas cur­tas é impor­tante porque o Google cor­ta os títu­los lon­gos nas SERPs.

    3. Otimize a sua etiqueta de título

    Ter uma eti­que­ta de títu­lo atraente é impor­tante porque esta aparece nos resul­ta­dos da pesquisa.

    Fre­quente­mente, a maneira mais sim­ples de cri­ar um é defi­ni-lo como o títu­lo da sua pági­na ou pub­li­cação. Isto é o que faze­mos para quase todas as pub­li­cações do blog. Por exem­p­lo, a pub­li­cação aci­ma tem o mes­mo títu­lo e eti­que­ta de título.

    Esta tam­bém é a eti­que­ta de títu­lo da nos­sa publicação.

    No entan­to, há momen­tos em que faz sen­ti­do mudar um pouco as coisas, como quan­do o seu títu­lo é muito lon­go. Tal como acon­tece com os URLs, o Google cor­ta eti­que­tas de títu­los lon­gas nos resul­ta­dos da pesquisa.

    Use o bom sen­so para encur­tar títu­los muito lon­gos. Por exem­p­lo, no nos­so guia de redação de con­teú­do, ape­nas cortá­mos o final.

    Nota adi­cional.
    Se estiv­er a cri­ar eti­que­tas de títu­lo para cen­te­nas ou mil­hares de pági­nas semel­hantes, como pági­nas de pro­du­tos, cat­e­go­rias ou serviços, provavel­mente quer­erá usar a mes­ma fór­mu­la para todas elas. Pode apren­der mais sobre como faz­er isto no nos­so guia para eti­que­tas de títu­lo com o link abaixo. 

    4. Escreva uma meta descrição convincente

    O Google fre­quente­mente mostra a meta descrição de uma pági­na como o frag­men­to des­criti­vo no SERP.

    Com que fre­quên­cia? De acor­do com o nos­so estu­do de 192.000 pági­nas, aprox­i­mada­mente ⅓ do tempo.

    Nota adi­cional.
    No resto do tem­po o Google gera frag­men­tos des­critivos de for­ma dinâmica.

    As meta descrições não são um fator de posi­ciona­men­to, mas ain­da assim são impor­tantes porque uma descrição atraente pode levar a mais cliques e tráfego. 

    Use estas dicas para escr­ev­er uma descrição con­vin­cente rapidamente:

    1. Expan­da a sua eti­que­ta do títu­lo. Inclua proposições de val­or úni­cas que não con­seguiu inserir no título.
    2. Cor­re­spon­da à intenção de pesquisa. Dobre a apos­ta no que os uti­lizadores procuram. 
    3. Use voz ati­va. Diri­ja-se ao uti­lizador diretamente.
    4. Seja con­ciso. Mantenha‑o em torno de 120 car­ac­teres ou menos.
    5. Inclua a sua palavra-chave. O Google põe a negri­to as palavras-chave e fras­es inti­ma­mente lig­adas à consulta.

    Não gaste muito tem­po a escr­ev­er as meta descrições, pois estas têm pou­ca importân­cia no côm­puto geral.

    5. Otimize as suas imagens

    As ima­gens podem-se posi­cionar na pesquisa de ima­gens do Google e enviar-lhe mais tráfego. Na ver­dade, nos últi­mos 28 dias, tive­mos mais de 4.000 vis­i­tas ao blog através da pesquisa de imagens.

    Vis­i­tas de pesquisa ao Blog da Ahrefs do Google Ima­gens durante 28 dias.

    Aqui está uma lista de ver­i­fi­cação ráp­i­da de três eta­pas para otimizar as suas imagens.

    a) Nomeie as imagens apropriadamente

    O Google diz que os nomes dos arquiv­os fornecem pis­tas sobre o assun­to da imagem, então cão.jpg é mel­hor do que IMG_859045.jpg.

    Infe­liz­mente, a maio­r­ia das câmaras e smart­phones usam nomes genéri­cos para fotos e ima­gens. E os com­puta­dores tam­bém. Se fiz­er cap­turas de ecrã para uma pub­li­cação de blog, geral­mente estas rece­berão o nome de Cap­tura de ecrã 2021-01-12.png.

    Por este moti­vo, deve renomeá-los. Veja como:

    • Seja des­criti­vo. cachorro-preto.jpg > cachorrinho.jpg
    • Seja sucin­to. cachorro-preto.jpg > meu-super-fofo-cachorro-preto-chamado-jeff.jpg
    • Não encha com palavras-chave. cachorro-preto.jpg > cachorro-preto-caozinho-cao-bebe.jpg
    • Use hífens entre as palavras. black-puppy.jpg> black_puppy.jpg (esta é a recomen­dação ofi­cial do Google)

    b) Use texto alt descritivo

    Tex­to alt (tex­to alter­na­ti­vo) é um atrib­u­to HTML usa­do em eti­que­tas <img> para descr­ev­er a imagem. Não é visív­el na própria pági­na e é pare­ci­do com isto:

    <img src=”https://yourdomain.com/puppy.jpg” alt=”puppy”>

    O obje­ti­vo prin­ci­pal do tex­to alter­na­ti­vo é mel­ho­rar a aces­si­bil­i­dade para os uti­lizadores que usam leitores de ecrã. Estes con­vertem o con­teú­do da pági­na, incluin­do ima­gens, em áudio. Os nave­g­adores tam­bém mostram o tex­to alter­na­ti­vo no lugar das ima­gens, caso a imagem não carregue.

    John Mueller, do Google, tam­bém afir­mou que o tex­to alter­na­ti­vo pode ajudá-lo a posi­cionar-se nas Ima­gens do Google:

    O tex­to alt é extrema­mente útil para o Ima­gens do Google — se dese­ja que as suas ima­gens sejam ali posi­cionadas. Mes­mo se usar o car­rega­men­to preguiçoso (lazy load), sabe que imagem será car­rega­da, então coloque essa infor­mação lá o mais cedo pos­sív­el e teste como ela é renderizada.

    Ao cri­ar tex­to alter­na­ti­vo, o Google diz para “se con­cen­trar na cri­ação de con­teú­do útil e rico em infor­mações que use palavras-chave de for­ma ade­qua­da e este­ja con­tex­tu­al­iza­do com o con­teú­do da pági­na”. Mas tam­bém dizem para “evi­tar preencher os atrib­u­tos alt com palavras-chave (recheio de palavras-chave), pois isto resul­ta numa exper­iên­cia neg­a­ti­va do utilizador”.

    Com isto em mente, aqui está o nos­so mel­hor con­sel­ho para cri­ar tex­to alternativo:

    • Seja des­criti­vo. Use palavras-chave rel­e­vantes quan­do apropriado.
    • Seja con­ciso. Man­ten­ha as coisas cur­tas para evi­tar uti­lizadores irri­tantes com leitores de ecrã.
    • Seja exa­to. Descre­va o que está real­mente na imagem.
    • Evite o recheio com palavras-chave. Isto pode “faz­er com que o seu web­site seja vis­to como spam.”
    • Evite diz­er que é uma imagem. Não inclua “Imagem de…” ou “Imagem de…” nas descrições. O Google e os leitores de ecrã podem dis­cernir isso sozinhos.

    Vamos escr­ev­er um tex­to alter­na­ti­vo para esta foto de um cachor­rin­ho para demonstrar:

    Mau: <img src=“cao.png” alt=“foto de filhote de cão vadio”>

    OK: <img src=“cachorro.png” alt=“cão”>

    Boa: <img src=“cachorro.png” alt=“cachorro preto e branco”>

    Mel­hor: <img src=“cao.png” alt=“cachorro preto e branco a brincar à busca”>

    Se é um uti­lizador do Word­Press, pode facil­mente adi­cionar tex­to alter­na­ti­vo às ima­gens ao inseri-las nas publicações.

    Aqui estão as instruções para adi­cionar tex­to alter­na­ti­vo no Square­space, Wix e Shopi­fy.

    c) Comprimir imagens

    A com­pactação de ima­gens diminui o taman­ho dos ficheiros, levan­do a um car­rega­men­to mais rápi­do. Isto é impor­tante porque a veloci­dade da pági­na é um fator de posi­ciona­men­to em com­puta­dores e dis­pos­i­tivos móveis.

    Exis­tem muitas fer­ra­men­tas para com­pactar ima­gens, mas gosta­mos de Short­Pix­el. Pos­sui uma inter­face web onde pode com­pactar até 50 ima­gens por vez gra­tuita­mente e um plu­g­in para Word­Press que com­pacta as ima­gens quan­do as carrega.

    Nota adi­cional.
    Pode com­pactar até 100 ima­gens por mês com a ver­são gra­tui­ta do Short­Pix­el e, depois dis­so, a par­tir de uns cên­ti­mos por imagem. 

    6. Adicione links internos e externos

    Hiperli­gar recur­sos inter­nos e exter­nos rel­e­vantes aju­da os uti­lizadores a nave­g­ar no seu web­site e a encon­trar mais infor­mações. No entan­to, alguns dizem que cri­ar links para out­ros web­sites é mau para o SEO.

    Isto é um mito. Não há evidên­cias que sugi­ram que links para out­ros web­sites prej­udiquem o seu SEO.

    Na ver­dade, John Mueller do Google diz:

    Hiperli­gar out­ros web­sites é uma óti­ma maneira de dar val­or aos uti­lizadores. Fre­quente­mente, os links aju­dam os uti­lizadores a desco­brir mais, a ver­i­ficar as suas fontes e enten­der mel­hor como o seu con­teú­do é rel­e­vante para as per­gun­tas que eles têm.

    John Mueller
    John Mueller, Search Advo­cate Google

    Emb­o­ra não ten­ha dito nada sobre as impli­cações de SEO dos links exter­nos aqui, disse que estes aju­dam os uti­lizadores. E sabe­mos, pelo guia do Google sobre como a pesquisa fun­ciona, que o mecan­is­mo de pesquisa foi pro­je­ta­do para aju­dar as pes­soas a ‘encon­trar os resul­ta­dos mais rel­e­vantes e úteis’.

    Obvi­a­mente, isto não sig­nifi­ca que deva hiperli­gar todo e qual­quer web­site por causa dis­so. Bas­ta incluir recur­sos inter­nos e exter­nos que façam sen­ti­do, como fontes, recomen­dações de pro­du­tos ou pub­li­cações de blog rela­cionadas. Perce­berá que esta­mos a conec­tar muitos recur­sos inter­nos e exter­nos ao lon­go deste guia.


    Tudo o que abor­damos até ago­ra é sufi­ciente para otimizar bem as pági­nas, mas há out­ras coisas que pode faz­er. Por­tan­to, se já tem uma boa posição e dese­ja impul­sion­ar as coisas para cima ou ape­nas quer ir para a cidade com o seu SEO na pági­na, aqui estão algu­mas otimiza­ções ‘avançadas’.

    1. Otimize para fragmentos em destaque

    Frag­men­tos em destaque são um tipo de recur­so SERP que cos­tu­ma apare­cer no topo dos resul­ta­dos da pesquisa. Estes respon­dem à per­gun­ta do uti­lizador com um pequeno excer­to reti­ra­do de uma das pági­nas mais bem posicionadas.

    Frag­men­to em destaque para “o que são citações locais.”

    Como a respos­ta no frag­men­to vem de uma pági­na nos resul­ta­dos da pesquisa, é efe­ti­va­mente pos­sív­el atal­har para a posição supe­ri­or ‘gan­han­do’ o fragmento. 

    É mais fácil falar do que faz­er, mas o proces­so bási­co é:

    1. Este­ja entre os 10 primeiros. O Google geral­mente extrai o frag­men­to de uma dessas páginas.
    2. Cer­ti­fique-se de que o Google já mostra um frag­men­to em destaque. Usará isto para enten­der como ‘respon­der’ à consulta.
    3. Forneça a respos­ta na sua pági­na. O Google não pode puxar da sua pági­na se ela não estiv­er lá.
    4. Use o for­ma­to cer­to. Para­grafo, lista ou tabela — o que o Google e os uti­lizadores esper­am ver?

    Por exem­p­lo, dig­amos que quer­e­mos ver se há opor­tu­nidades de frag­men­tos em destaque para a nos­sa pub­li­cação sobre con­teú­do per­ma­nente. Se inserir­mos o URL no Explo­rador de web­sites da Ahrefs, fil­trar o relatório de palavras-chave orgâni­cas das 10 primeiras posições, ver­e­mos que já esta­mos a posi­cionar-nos entre as 10 primeiras em ‘ever­green con­tent’ (con­teú­do verdejante).

    O nos­so posi­ciona­men­to nos Esta­dos Unidos para “ever­green con­tent” através do Explo­rador de web­sites da Ahrefs.

    Se ver­i­fi­car­mos o SERP, vemos que atual­mente a parte em destaque é um pequeno pará­grafo com uma definição do termo.

    Definição na parte em destaque para “con­teú­do perene.”

    Para con­cor­rer a esta parte em destaque, pre­cis­aríamos de uma definição na nos­sa página.

    Se, por out­ro lado, quisésse­mos gan­har a parte para ‘web­sites mais vis­i­ta­dos’, provavel­mente pre­cis­aríamos de incluir uma tabela com as prin­ci­pais pesquisas e os seus vol­umes men­sais de pesquisa.

    Tabela na parte em destaque para “web­sites mais visitados.”

    2. Incorpore Ímans de link

    Os links con­tin­u­am a ser um impor­tante fator de posi­ciona­men­to no Google. E emb­o­ra a con­strução de lig­ações seja SEO fora da pági­na, não SEO na pági­na, pode atrair mais lig­ações incluin­do frag­men­tos hiperligáveis na sua página.

    Como sabe o que é um frag­men­to hiperligável?

    Veja porque as pes­soas estão a cri­ar links para pági­nas con­cor­rentes semelhantes.

    Por exem­p­lo, a palavra-chave alvo prin­ci­pal para uma das nos­sas pub­li­cações é “palavras-chave de cau­da lon­ga”. Se inserir­mos esta palavra-chave no Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs, ver­e­mos algu­mas pub­li­cações semel­hantes com muitos backlinks. 

    Posi­ciona­men­to nos EUA para “palavras-chave da cau­da lon­ga” através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Vamos inserir ape­nas uma destas pub­li­cações no Explo­rador de web­sites e ver­i­ficar o relatório Ânco­ras. Isto mostra as palavras e fras­es mais comuns que as pes­soas usam ao cri­ar links para a pági­na. Neste caso, vemos muitas pes­soas a lig­ar dev­i­do às estatísticas.

    Relatório de ânco­ras no Explo­rador de web­sites da Ahrefs.

    Isto diz-nos que provavel­mente dev­eríamos incluir algu­mas estatís­ti­cas na nos­sa pub­li­cação para aumen­tar a prob­a­bil­i­dade do surg­i­men­to de backlinks.

    Se mudar­mos de rumo e ver­i­fi­car­mos o relatório Ânco­ras para obter uma pági­na de posi­ciona­men­to supe­ri­or para “Redação de SEO”, vemos muitas pes­soas a ‘linkar’ por causa de dois con­ceitos únicos.

    Provavel­mente não faria sen­ti­do incluir estes mes­mos con­ceitos na nos­sa pub­li­cação, mas podemos incluir algu­mas ideias próprias para aumen­tar a prob­a­bil­i­dade de back­links. Isto foi o que fizé­mos quan­do escreve­mos sobre dire­itos autorais de SEO.

    3. Obtenha fragmentos ricos com marcação de schema

    Frag­men­tos ricos são resul­ta­dos de pesquisa com infor­mações adi­cionais abaixo do títu­lo, descrição e URL.

    Por exem­p­lo, o Google mostra posi­ciona­men­tos, tem­po de coz­e­du­ra e calo­rias para estas pági­nas de receitas.

    O Google extrai estas infor­mações de um tipo de dados estru­tu­ra­dos na pági­na chama­da mar­cação de schema. Neste caso, as pági­nas usam um tipo especí­fi­co de mar­cação de schema denom­i­na­do mar­cação de recei­ta.

    Aqui estão alguns out­ros tipos de mar­cação de schema que podem levar a frag­men­tos ricos:

    • Mar­cação de instruções
    • Mar­cação de produto
    • Mar­cação de crítica
    • Mar­cação de software
    • Mar­cação de FAQ

    Por exem­p­lo, aqui está uma pági­na no SERP que usa mar­cação de FAQ:

    Frag­men­tos ricos de FAQ.

    Emb­o­ra os frag­men­tos ricos não sejam um fator de posi­ciona­men­to, muitos acred­i­tam que os mes­mos podem atrair mais cliques — pelo menos para algu­mas páginas.

    Não há nen­hum aumen­to de posi­ciona­men­to genéri­co para o uso de SD. Pelo que me lem­bro, é o mes­mo. No entan­to, o SD pode tornar mais fácil enten­der do que tra­ta a pági­na, o que pode tornar mais fácil mostrar onde é rel­e­vante (mel­ho­ra a seg­men­tação, talvez a posição para os ter­mos cer­tos). (não é novo, na min­ha opinião)

    Se usa o Word­Press, pode adi­cionar mar­cação de schema a pub­li­cações e pági­nas com plug-ins pop­u­lares como Yoast ou Rank Math. Ape­nas sai­ba que nem todos os tipos de con­teú­do são elegíveis para apri­mora­men­tos de pesquisa, como frag­men­tos ricos.

    4. Melhorar a relevância do tópico

    O Google con­sid­era uma pági­na mais rel­e­vante para a con­sul­ta de pesquisa quan­do ‘con­tém out­ro con­teú­do rel­e­vante além da palavra-chave’. Por exem­p­lo, se sua pági­na é sobre cães, lis­tar raças provavel­mente seria um resul­ta­do mais rel­e­vante quan­do alguém pesquis­ar ‘cães’.

    Se seguiu o con­sel­ho do capí­tu­lo dois, o seu con­teú­do já deve incluir muitas palavras, fras­es e con­ceitos rel­e­vantes. Isto acon­te­cerá nat­u­ral­mente enquan­to escreve.

    Porém, pode não ter acer­ta­do em tudo — espe­cial­mente em tópi­cos complexos.

    Por exem­p­lo, este é um dos mel­hores resul­ta­dos de ‘como preparar cerve­ja’. É um guia bas­tante com­ple­to para um ini­ciante, mas não men­ciona o fato de que pre­cis­ará de um sifão para trans­ferir a sua cerve­ja do fer­men­ta­dor para as garrafas.

    Pági­na sobre como faz­er cerve­ja que carece de detal­h­es importantes.

    Neste caso, se não se está a posi­cionar onde gostaria e não tem a certeza do moti­vo, pode valer a pena exam­i­nar mais a fun­do o que pode ter per­di­do na sua página.

    Aqui estão algu­mas maneiras de faz­er isto.

    Use o relatório “Também fala sobre”

    O relatório “Tam­bém fala sobre” no Explo­rador de palavras-chave mostra palavras-chave e fras­es fre­quente­mente men­cionadas pelas 100 pági­nas mais bem posi­cionadas. Bas­ta inserir a sua palavra-chave-alvo para ver o que as pági­nas mais bem posi­cionadas dizem rapidamente.

    Por exem­p­lo, se ver­i­fi­car­mos o relatório ‘como faz­er cerve­ja’, vemos muitas palavras-chave rela­cionadas com ingre­di­entes e equipa­men­tos como:

    • Lúpu­lo
    • Fer­men­to
    • ceva­da maltada
    • extra­to de malte
    • refrig­er­ador de mosto
    • cuba
    • sifão automáti­co

    O que as pági­nas mais bem posi­cionadas para “como faz­er cerve­ja” tam­bém dizem através do Explo­rador de palavras-chave da Ahrefs.

    Dado o que os aspi­rantes a cerve­jeiros pre­cisam de saber sobre a maio­r­ia destas coisas, vale­ria a pena falar sobre elas num guia de cerve­ja para ini­ciantes. Se se esque­ceu de incluir estas coisas, pode valer a pena atualizar.

    Ape­nas sai­ba que deve usar o bom sen­so ao faz­er isto. O fato de uma palavra ou frase apare­cer no relatório ‘tam­bém falar sobre’ não sig­nifi­ca nec­es­sari­a­mente que se deva falar sobre isso no seu con­teú­do. Use o relatório para desco­brir coisas rel­e­vantes que perdeu.

    Execute uma análise TF-IDF

    TF-IDF sig­nifi­ca Term Fre­quen­cy-Inverse Doc­u­ment Fre­quen­cy (Fre­quên­cia do Ter­mo — Fre­quên­cia Inver­sa do Doc­u­men­to, em por­tuguês). É uma medi­da estatís­ti­ca que visa jul­gar a importân­cia rel­a­ti­va de uma palavra num doc­u­men­to. Este faz isso com­para­n­do a fre­quên­cia com que a palavra ocorre naque­le doc­u­men­to em com­para­ção com várias outras.

    Ao exe­cu­tar uma análise TF-IDF entre a sua e out­ras pági­nas rel­e­vantes de posi­ciona­men­to, pode às vezes desco­brir con­ceitos cober­tos por pági­nas con­cor­rentes que perdeu.

    Por exem­p­lo, se fiz­er­mos isto para a nos­sa pub­li­cação sobre SEO neg­a­ti­vo, ver­e­mos que as pági­nas con­cor­rentes falam sobre coisas como o arqui­vo de rejeição e links artificiais.

    Sai­ba que a ideia aqui não é ‘espal­har estas palavras-chave’ no seu con­teú­do, mas sim desco­brir ideias e con­ceitos rel­e­vantes que se pode ter esque­ci­do de men­cionar. Pode então atu­alizar as coisas para cri­ar uma pági­na mais rel­e­vante e abrangente.

    Além dis­so, este­ja ciente de que a maio­r­ia das fer­ra­men­tas do TF-IDF sug­ere o uso de palavras e fras­es ‘impor­tantes’ um número especí­fi­co de vezes na sua pági­na. Não é assim que recomen­damos usá-los.

    E sobre palavras-chave LSI?

    Palavras-chave LSI não existem.

    Não exis­tem palavras-chave LSI — qual­quer pes­soa que diga o con­trário está engana­da, desculpe.

    As fer­ra­men­tas pop­u­lares de ‘palavras-chave LSI’ não estão rela­cionadas com o LSI e não está claro como estas ger­am as suas sug­estões de palavras-chave. Emb­o­ra pos­sam dar ideias úteis em algu­mas cir­cun­stân­cias, as suas sug­estões rara­mente são fan­tás­ti­cas na min­ha experiência.


    Vejamos algu­mas fer­ra­men­tas gra­tu­itas para aju­dar com tudo aci­ma antes de encerrarmos.

    Yoast SEO

    Adi­cione títu­los, meta descrições, eti­que­tas OG e dados estru­tu­ra­dos a pub­li­cações e páginas.

    Nota adi­cional.
    Rank Math, All in One SEO Pack e The SEO Frame­work fazem prati­ca­mente a mes­ma coisa. 

    Ahrefs Webmaster Tools (Grátis)

    Encon­tre prob­le­mas ausentes com eti­que­tas de títu­lo, meta descrições, tex­to alter­na­ti­vo e eti­que­tas OG no seu website.

    Ahrefs SEO Toolbar (Grátis)

    Analise a estru­tu­ra de out­ras pági­nas de posi­ciona­men­to superior.

    Metatags.io (Grátis)

    Visu­al­ize a aparên­cia das eti­que­tas de títu­lo, URLs e meta descrições nos resul­ta­dos da pesquisa.

    ShortPixel (Grátis)

    Com­pri­ma e otimize imagens. 

    Merkle’s Schema Markup Generator (Grátis)

    Crie muitos tipos de dados estru­tu­ra­dos no for­ma­to JSON-LD recomen­da­do pelo Google.

    Rich Results Test (Grátis)

    Ver­i­fique os dados estru­tu­ra­dos na sua pági­na para ver se está posi­ciona­do para frag­men­tos ricos nos SERPs. 

    Concluindo

    Siga os con­sel­hos aci­ma e as suas pági­nas provavel­mente estarão mais otimizadas do que a con­cor­rên­cia. Lem­bre-se de que sat­is­faz­er a intenção de pesquisa é a parte mais críti­ca. Emb­o­ra as coisas “téc­ni­cas” tam­bém sejam impor­tantes, estas são mais como a cere­ja no topo do bolo.

    Ago­ra vamos pas­sar para a próx­i­ma peça do puz­zle SEO: con­strução de lig­ações.