Criação de Conteúdo: O Guia Completo para Principiantes

Avatar
Head of Content @ Ahrefs (or, in plain English, I'm the guy responsible for ensuring that every blog post we publish is EPIC).
    Nos últi­mos três anos, publicámos:

    Claro que estou longe de ser a úni­ca pes­soa respon­sáv­el por esta pro­dução. Mas acho que é seguro diz­er que a nos­sa equipa sabe algu­mas coisas sobre como cri­ar e escalar con­teú­do com sucesso. 

    Neste guia, apren­derá como faz­er o mes­mo pelo seu negó­cio, pas­so a passo.

    Mas primeiro, vamos con­fir­mar que esta­mos na mes­ma página…

    A cri­ação de con­teú­do é o proces­so de encon­trar tópi­cos para atrair o públi­co-alvo e, em segui­da, plan­ear, cri­ar e pub­licar con­teú­do sobre ess­es tópicos.

    O con­teú­do é impor­tante porque é um mecan­is­mo efi­caz para atrair as pes­soas para den­tro e ao lon­go do funil de mar­ket­ing. Se não está famil­iar­iza­do com o con­ceito de funil de mar­ket­ing, este é uma rep­re­sen­tação visu­al do proces­so de atração e retenção de clientes.

    Fun­ciona assim:

    As pes­soas primeiro con­hecem a sua mar­ca. O inter­esse e o dese­jo aumen­tam até que con­sid­er­am com­prar o que está a vender. Even­tual­mente, entram em ação e tor­nam-se clientes. Se o seu pro­du­to ou serviço os impres­sion­ar, tornar-se-ão clientes fiéis e, poten­cial­mente, até defen­sores de sua marca.

    Mas é o seguinte:

    Nem todos os que con­hecem a sua mar­ca dese­jarão o seu pro­du­to. Nem todos os que dese­jam o seu pro­du­to con­sid­er­arão a com­pra. Nem todos os que pen­sam em com­prar vão com­prar, e nem todos os que com­pram se tornarão defen­sores leais da marca.

    É por isso que o funil de mar­ket­ing é em for­ma de funil; as pes­soas saem do proces­so em todas as fases.

    O que isto tem a ver com o conteúdo?

    O con­teú­do não tem só o poder de atrair as pes­soas para o funil de mar­ket­ing, mas tam­bém de aumen­tar a efi­ciên­cia do funil.

    Por exem­p­lo, o nos­so guia de pesquisa de palavras-chave está bem clas­si­fi­ca­do no Google para “pesquisa de palavras-chave” e recebe uma esti­ma­ti­va de 5,6 mil vis­i­tas de pesquisa por mês. Isso atrai o nos­so públi­co-alvo e mel­ho­ra o con­hec­i­men­to da mar­ca:

    Mas essa não é a úni­ca coisa que este guia faz. Tam­bém cria inter­esse e dese­jo pelo nos­so pro­du­to, mostran­do aos leitores como resolver os seus prob­le­mas usan­do a Ahrefs.

    Claro que a maio­r­ia dos leitores não con­sid­er­ará com­prar o nos­so pro­du­to e agir depois de ler uma úni­ca pub­li­cação. É por isso que temos cen­te­nas de arti­gos no blog. Con­struí­mos inter­esse e dese­jo por meio da exposição repeti­da ao nos­so pro­du­to e à nos­sa marca.

    Para os leitores que alcançarem a fase de con­sid­er­ação do nos­so funil, con­teú­do como a nos­sa pági­na “Ahrefs vs.” pro­move a ação, mostran­do como o nos­so pro­du­to se com­para favo­rav­el­mente à concorrência.

    Para aque­les que se tor­nam clientes, as nos­sas pub­li­cações de blog, cur­sos e secção de aju­da ded­i­ca­da pro­movem a leal­dade e a defe­sa, ensi­nan­do-os a obter o máx­i­mo par­tido do nos­so produto.

    O proces­so de cri­ação de con­teú­do é prati­ca­mente o mes­mo para todos os canais, e ver­e­mos isso a seguir. Mas, primeiro, é impor­tante enten­der que não deve mer­gul­har na cri­ação de con­teú­do sem primeiro cri­ar uma estraté­gia de con­teú­do sólida.

    A sua estraté­gia de con­teú­do man­tém-no no cam­in­ho cer­to e garante que haja um propósi­to claro por trás de cada parte do con­teú­do cri­a­do. Se ain­da não tiv­er uma, con­sulte o nos­so guia para cri­ar uma estraté­gia de con­teú­do vencedor.

    Se já tem uma …

    Veja como cri­ar con­teú­do em três etapas:

    1. Encon­tre tópi­cos comprovados
    2. Escol­ha um tipo e for­ma­to de conteúdo
    3. Plan­ear, cri­ar e publicar

    1. Encontre tópicos comprovados

    Não adi­anta cri­ar con­teú­do ape­nas por cri­ar. O que quer que este­ja a plan­ear cri­ar, pre­cisa de ter a certeza de que é algo que vai agradar ao seu público-alvo. 

    A for­ma como tra­ta dis­so depende do canal para o qual está a cri­ar o conteúdo.

    Se estiver a criar conteúdo para o seu website ou YouTube …

    … Vai quer­er faz­er uma pesquisa de palavras-chave para encon­trar os tópi­cos que as pes­soas procuram.

    Pode pub­licar con­teú­do sobre out­ros tópi­cos, mas terá difi­cul­dade em chamar a atenção, a menos que já ten­ha muito tráfego ou assi­nantes, este­ja dis­pos­to a pagar por anún­cios ou que ten­ha um canal de dis­tribuição com­pro­va­do como uma grande lista de e‑mail.

    A maneira como faz a pesquisa dos tópi­cos é prati­ca­mente a mes­ma para os dois canais:

    a) Faça um brainstorm de tópicos

    Pegue num blo­co de notas e pense sobre tópi­cos gerais que o seu públi­co-alvo pode estar a procu­rar. Se vende máquinas de café, pode ano­tar coisas como “café”, “expres­so” e “pren­sa francesa”.

    b) Use uma ferramenta de pesquisa de palavras-chave para expandir as suas ideias

    Ligue os seus tópi­cos de brain­storm­ing numa fer­ra­men­ta de pesquisa de palavras-chave como o Explo­rador de Palavras-chave, escol­ha o Google ou o YouTube como o seu motor de pesquisa e vá para o relatório de Ter­mos cor­re­spon­dentes.

    Analise as palavras-chave e adi­cione quais­quer tópi­cos promis­sores para con­teú­do a uma lista de ideias de palavras-chave.

    Por exem­p­lo, “mel­hor cafeteira” e “como faz­er café bati­do” são ideias de con­teú­do promis­so­ras para a nos­sa cafe­te­ria online. São coisas que o nos­so públi­co-alvo provavel­mente pesquisa e têm vol­ume de pesquisas, por­tan­to, vamos adi­cioná-las a uma lista de palavras-chave.

    Adi­cionar ideias a uma lista de palavras-chave no Explo­rador de Palavras-chave

    Con­tin­ue a faz­er isso até que ten­ha 30–50 ideias de con­teú­do em potencial.

    PRO TIP

    Se está à procu­ra de ideias de con­teú­do para um novo web­site, geral­mente vale a pena fil­trar por palavras-chave com baixa pon­tu­ação de difi­cul­dade de palavra-chave (KD). De modo ger­al, estes serão mais fáceis de clas­si­ficar. Para faz­er isso, defi­na o fil­tro KD para um máx­i­mo baixo, como 10.

    c) Verifique os concorrentes

    As pes­soas têm a tendên­cia de usar as mes­mas palavras-chave “semente” nas fer­ra­men­tas de pesquisa de palavras-chave, o que sig­nifi­ca que fre­quente­mente aca­ba por ver as mes­mas ideias de palavras-chave que toda a gente. Isto não é nec­es­sari­a­mente uma coisa má, mas man­tém-no ‘den­tro da caixa’.

    Por este moti­vo, tam­bém vale a pena olhar para o con­teú­do que os seus con­cor­rentes estão a criar.

    Se está à procu­ra de ideias de con­teú­do para o seu web­site, primeiro pre­cisa de iden­ti­ficar os seus con­cor­rentes. A maneira mais fácil de faz­er isso é aced­er à sua lista de palavras-chave no Explo­rador de palavras-chave e ir para o relatório de Quo­ta de tráfego por domínio para ver quais os web­sites que têm mais tráfego dessas palavras-chave.

    Pro­cure sites que pareçam foca­dos no seu tópi­co, clique no cur­sor e vá para o relatório de Pági­nas Prin­ci­pais para ver quais as suas pági­nas que atraem a maior esti­ma­ti­va de tráfego de pesquisa.

    No nos­so caso, vemos algu­mas boas ideias de con­teú­do com poten­cial de tráfego de pesquisa que não poderíamos ter encon­tra­do de out­ra for­ma, como:

    • res­olução de prob­le­mas keurig
    • cáp­su­las reuti­lizáveis nespresso
    • como descal­ci­ficar um keurig
    • como vapor­izar leite
    • nespres­so vs keurig

    Se quis­er ain­da mais ideias, repi­ta esse proces­so para mais con­cor­rentes. Bas­ta aced­er ao relatório de Domínios con­cor­rentes no Explo­rador de Web­sites, procu­rar sites rel­e­vantes, acionar o botão para ver­i­ficar o tráfego de pesquisa esti­ma­do e, em segui­da, conec­tar o site ao Web­Site Explor­er e ver­i­ficar o relatório Pági­nas principais.

    Se está à procu­ra de ideias de con­teú­do para o YouTube, primeiro pre­cisa de encon­trar canais con­cor­rentes. Faça isso pesquisan­do no YouTube um tópi­co que já encon­trou. Por exem­p­lo, se pesquis­ar­mos “como faz­er café numa cafeteira”, ver­e­mos alguns canais rela­ciona­dos com café.

    De segui­da, pro­cure nos seus vídeos tópi­cos que pos­sa ter perdido.

    No nos­so caso, vemos vídeos rela­ciona­dos com:

    • pote moka
    • Aero­press
    • Chan­til­ly faça você mesmo
    • pomar encore

    Ago­ra podemos usá-las como palavras-chave ‘semente’ numa fer­ra­men­ta de pesquisa de palavras-chave do YouTube para encon­trar ain­da mais tópi­cos que as pes­soas procuram.

    Se estiver a criar conteúdo para outros canais, como redes sociais ou e‑mail …

    … É um jogo difer­ente. As pes­soas nes­sas platafor­mas já se inscrever­am no seu con­teú­do, então não pre­cisa nec­es­sari­a­mente de pub­licar o que estão a procu­rar. Só pre­cisa de pub­licar coisas que acharão interessantes.

    Nota adi­cional.
    Isto tam­bém é váli­do para o YouTube, já que cos­tu­ma atrair visu­al­iza­ções de vídeos a par­tir das recomen­dações “sug­eri­das” na bar­ra lateral. 

    Aqui estão algu­mas maneiras de faz­er isso:

    • Ver­i­fique a sua analíti­ca. A maio­r­ia das fer­ra­men­tas de mar­ket­ing por email infor­ma quais os emails que obtiver­am mais enga­ja­men­to em ter­mos de aber­turas e cliques, e a maio­r­ia das platafor­mas de redes soci­ais infor­ma quais são as suas mel­hores pub­li­cações. Use ess­es dados para enten­der mel­hor o seu público.
    • Ver­i­fique o feed­back do cliente. Pro­cure con­sul­tas comuns em tick­ets de suporte ao cliente.
    • Ver­i­fique as pesquisas inter­nas do site. Veja o que os seus vis­i­tantes pesquisam no seu web­site usan­do o Google Analytics.
    • Per­gunte ou sonde os seus clientes. Ninguém sabe que tipo de con­teú­do os seus clientes dese­jam ver mel­hor do que eles próprios.

    Tam­bém pode usar a pesquisa de palavras-chave para encon­trar ideias, mes­mo se não estiv­er a cri­ar con­teú­do para um canal foca­do em pesquisas. Afi­nal, se muitas pes­soas procu­ram por algo, é claro que muitas estão inter­es­sadas nis­so. Estes tópi­cos geral­mente fun­cionam bem em canais não foca­dos em pesquisa, como redes soci­ais e e‑mail também.

    2. Escolha um tipo e formato de conteúdo

    Supon­do que ten­ha escol­hi­do um tópi­co da sua lista de ideias, a próx­i­ma eta­pa é decidir sobre o tipo e for­ma­to de con­teú­do que vai criar.

    Tipo de conteúdo

    Se cri­ar con­teú­dos para o YouTube, o tipo de con­teú­do já está deci­di­do: vídeo. É a mes­ma coisa para e‑mail e redes soci­ais: escreverá algum tipo de e‑mail ou pub­li­cação em redes sociais.

    Mas se estiv­er a cri­ar con­teú­do para o seu web­site, tem algu­mas opções difer­entes, incluindo:

    • Pub­li­cação no blog
    • Pági­na de produto
    • Pági­na de destino
    • Fer­ra­men­ta interativa
    • Wiki / arti­go de ajuda

    O mel­hor tipo de con­teú­do para o tra­bal­ho depen­derá do tópi­co e da final­i­dade do seu conteúdo.

    Por exem­p­lo, se quisésse­mos par­til­har algu­mas dicas de SEO, uma pub­li­cação de blog seria o mel­hor tipo de con­teú­do porque o seu obje­ti­vo é aumen­tar o con­hec­i­men­to da mar­ca e edu­car clientes poten­ci­ais. Não faria sen­ti­do como pági­na de des­ti­no ou fer­ra­men­ta inter­a­ti­va, e não faz sen­ti­do escondê-lo num wiki des­ti­na­do aos clientes.

    Se quis­er­mos cri­ar con­teú­do sobre como a Ahrefs se com­para à con­cor­rên­cia, uma pági­na de des­ti­no é indisc­u­tivel­mente o mel­hor for­ma­to. O obje­ti­vo deste con­teú­do não é real­mente aumen­tar o con­hec­i­men­to da mar­ca; é ali­men­tar o inter­esse e estim­u­lar a compra.

    Se quisésse­mos cri­ar con­teú­do a explicar como se usa um recur­so indi­vid­ual na Ahrefs, provavel­mente cri­aríamos um arti­go wiki porque o obje­ti­vo do con­teú­do é reter clientes e fidel­i­dade à marca.

    Se o tipo de con­teú­do mais apro­pri­a­do não fôr ime­di­ata­mente óbvio a par­tir da palavra-chave, abra uma janela anón­i­ma, pesquise a sua palavra-chave e pro­cure o tipo de con­teú­do dom­i­nante no SERP.

    Se fiz­er­mos isso para “dicas de SEO”, poder­e­mos diz­er pelos títu­los, URLs e descrições que todos os resul­ta­dos são pub­li­cações de blog:

    Os resul­ta­dos da pesquisa por “dicas de SEO” são todos pub­li­cações de blog.

    Se fiz­er­mos isso para “ras­treador de posi­ciona­men­to de palavras-chave”, os resul­ta­dos serão prin­ci­pal­mente pági­nas de des­ti­no com fer­ra­men­tas interativas:

    Os resul­ta­dos da pesquisa por “ver­i­fi­cador de posi­ciona­men­to de palavras-chave” são, na sua maio­r­ia, pági­nas de des­ti­no com fer­ra­men­tas interativas.

    PRO TIP

    Use a Bar­ra de Fer­ra­men­tas Ahrefs para sim­u­lar gra­tuita­mente uma pesquisa no país e no idioma de destino.

    Formato do conteúdo

    Mes­mo que o canal escol­hi­do lim­ite o tipo de con­teú­do que pode cri­ar, geral­mente tem algu­mas opções quan­do se tra­ta de for­ma­to de con­teú­do, incluindo:

    • Como
    • Tuto­r­i­al
    • Lis­ti­cle
    • Guia
    • Notícias/Atualizações
    • História da marca
    • Votação
    • Análise

    Se estiv­er a cri­ar con­teú­do para redes soci­ais ou e‑mail, não existe uma regra rígi­da e ráp­i­da para o mel­hor for­ma­to de con­teú­do. Bas­ta escol­her o que parece mais ade­qua­do para o assunto.

    Se estiv­er a cri­ar con­teú­do para o seu web­site ou YouTube, os resul­ta­dos da pesquisa podem ajudá-lo a enten­der qual o for­ma­to que fun­ciona melhor.

    Por exem­p­lo, se pesquis­ar­mos no Google por “blog de con­vi­da­do”, ver­e­mos que todas as pub­li­cações de blog mais bem posi­cionadas são guias:

    Se fiz­er­mos a mes­ma coisa no YouTube, estes são ape­nas instruções e listas:

    3. Planear, criar e publicar

    O proces­so de cri­ação do seu con­teú­do é essen­cial­mente o mes­mo, inde­pen­den­te­mente do canal, tipo e for­ma­to pretendidos.

    1. Plan­ear
    2. Cri­ar
    3. Pub­licar

    Vamos apro­fun­dar cada parte do processo:

    Planeamento

    O planea­men­to começa com a cri­ação dos con­tornos. Se estiv­er a cri­ar pub­li­cações cur­tas para redes soci­ais, isto pode não ser estri­ta­mente necessário. Mas é sem dúvi­da a mel­hor abor­dagem para tipos de con­teú­do mais com­plex­os, como pub­li­cações de blogs e vídeos.

    É assim que começamos quase todos os posts e vídeos que publicamos.

    Por exem­p­lo, aqui está meu con­torno para este artigo: 

    Como deci­di o que incluir? 

    Como o obje­ti­vo des­ta pub­li­cação é clas­si­ficar na pesquisa orgâni­ca, o meu pon­to de par­ti­da foi anal­is­ar as pági­nas rel­e­vantes de mel­hor clas­si­fi­cação para sub­tópi­cos comuns.

    Para faz­er isso, colo­quei alguns guias que estão clas­si­fi­ca­dos no topo dos resul­ta­dos de pesquisa na fer­ra­men­ta Lacu­na de Con­teú­do da Ahrefs e defi­ni o número máx­i­mo de inter­seções para ver as palavras-chave para as quais todas essas pági­nas foram posi­cionadas. Isto rev­el­ou alguns sub­tópi­cos bas­tante óbvios para incluir:

    Eu tam­bém usei o relatório gra­tu­ito de SEO na pági­na do Bar­ra de Fer­ra­men­tas da Ahrefs para ver­i­ficar os sub­tí­tu­los nas pub­li­cações mais impor­tantes para sub­tópi­cos comuns. Isto rev­el­ou que a maio­r­ia das pub­li­cações fala­va sobre porque o con­teú­do é impor­tante, então acres­cen­tei isso ao meu contorno.

    No entan­to, não me inspirei ape­nas em pub­li­cações bem clas­si­fi­cadas. Eu tam­bém adi­cionei uma seção sobre a escala de con­teú­do (veja abaixo). Nen­hu­ma das pub­li­cações mais bem clas­si­fi­cadas fala sobre isto, mas sei por exper­iên­cia própria que muitos cri­adores de con­teú­do enfrentam esse prob­le­ma. Tam­bém sen­ti que pode­ria par­til­har algu­mas ilações valiosas para difer­en­ciar a nos­sa pub­li­cação de todas as outras.

    Lem­bre-se de que rara­mente faz sen­ti­do cri­ar uma cópia do con­teú­do que já está disponív­el. Se quis­er que as pes­soas se lem­brem do seu con­teú­do, pre­cisa ir mais longe.

    Criar

    Com o con­torno acer­ta­do, é hora de baixar a cabeça e delin­ear o conteúdo. 

    Par­til­hamos dicas e proces­sos para faz­er isto com efi­ciên­cia em várias pub­li­cações, mas aqui estão algu­mas dicas para começar:

    • Sim­ples­mente escre­va. É fácil pro­cras­ti­nar e olhar para uma pági­na em bran­co durante horas. Já fiz isso um mil­hão de vezes. Com­bata isso obri­g­an­do-se a escr­ev­er sem edi­tar. Mes­mo se achar que o que está a escr­ev­er é estúpi­do, não pare. Con­tin­ue a escrever.
    • Use uma fór­mu­la de intro­dução com­pro­va­da. A intro­dução é sem dúvi­da a parte mais impor­tante do seu con­teú­do, mas tam­bém a mais difí­cil. Com­bata isto usan­do uma fór­mu­la de intro­dução com­pro­va­da como a fór­mu­la PAS.
    • Use o méto­do da pirâmide inver­ti­da. A maio­r­ia das pes­soas esconde infor­mações impor­tantes em “bom saber”. Não faça isso. Trace como obje­ti­vo colo­car o ‘pre­ciso saber’ antes do ‘bom saber’. Todos os que con­sumirem o seu con­teú­do vão agradecer.

    Ver­i­fique os recur­sos abaixo se quis­er saber mais:

    Assim que tiv­er o seu ras­cun­ho prepara­do, recomen­do viva­mente que peça feed­back a um cole­ga ou ami­go. Faze­mos isto com todos os nos­sos con­teú­dos. Dou feed­back ao Sam sobre os seus guiões de vídeo, ele dá feed­back sobre as min­has arti­gos para o blog e eu dou feed­back aos nos­sos out­ros escritores.

    Aqui está um exem­p­lo des­ta mes­ma publicação:

    Não me inter­pretem mal, isto às vezes pode destru­ir um pouco a alma, mas quase cer­ta­mente levará a um con­teú­do melhor.

    Publicar

    Final­mente — a parte fácil. For­mate, final­ize e sub­meta o seu con­teú­do ao canal escol­hi­do e estará pron­to para as cor­ri­das. Dito isto, muitas vezes há mais peças neste puz­zle do que pode imag­i­nar, o que me leva dire­ta­mente para …

    Tudo o que foi descrito aci­ma é sufi­ciente para que os seus esforços de cri­ação de con­teú­do lev­an­tem vôo. Mas há ape­nas algu­mas coisas que pode faz­er por con­ta própria. Se real­mente dese­ja mul­ti­plicar os seus esforços de con­teú­do, pre­cis­ará de envolver out­ras pes­soas e sis­tem­ati­zar os seus processos.

    Nes­ta seção, abor­dare­mos cin­co maneiras de faz­er isso com base na nos­sa experiência:

    Coloque alguém no comando de cada canal

    Cri­ar e gerir con­teú­do para cada canal de mar­ket­ing por con­ta própria é uma tare­fa impos­sív­el. Pre­cisa del­e­gar essa responsabilidade.

    É assim que faze­mos as coisas na Ahrefs. Cri­amos con­teú­do para dois canais prin­ci­pais: o blog e o YouTube. Eu sou o respon­sáv­el pelo blog e o Sam é o respon­sáv­el pelo YouTube.

    Aqui estão algu­mas das respon­s­abil­i­dades prin­ci­pais de cada coor­de­nador de canal:

    • Plan­ear e coor­denar o con­teú­do. O que é pub­li­ca­do e quan­do? Quais as tare­fas que pre­cisam de ser con­cluí­das antes de pub­li­car­mos o conteúdo?
    • Con­tratar cri­adores de con­teú­do. Escalar con­teú­do sig­nifi­ca con­tratar mais cri­adores de con­teú­do. Podem ser blog­gers, argu­men­tis­tas ou out­ra coisa. De qual­quer forma,é pre­ciso encon­trar e val­i­dar essas pes­soas. (A propósi­to, esta­mos a con­tratar)
    • Cri­ar dire­trizes de con­teú­do e esti­lo. Todos pre­cisam de estar alin­hados se pre­tende escalar e man­ter uma voz de mar­ca con­sis­tente. As dire­trizes de con­teú­do aju­dam nis­so. (Ain­da esta­mos a tra­bal­har nas nossas.)

    Claro, é pos­sív­el colo­car uma pes­soa no coman­do de vários canais, mas rara­mente é efi­ciente. Se diver­gir muito as pes­soas, elas ape­nas pro­duzirão muito con­teú­do medíocre para muitos canais, em vez de con­teú­do excep­cional para um canal.

    Divida o processo de criação de conteúdo em tarefas pequenas

    Exis­tem muitos ele­men­tos na cri­ação de con­teú­do. Não pode sim­ples­mente escr­ev­er um arti­go para o blog “às três pan­cadas” e tê-lo pron­to para pub­li­cação. Pre­cisa de ima­gens, for­matação, edição e provavel­mente um monte de out­ras coisas também.

    Assim como é ine­fi­ciente para uma pes­soa assumir as rédeas de vários canais, tam­bém é ine­fi­ciente para uma pes­soa faz­er tudo isso.

    Como pode resolver isso?

    Divi­da o proces­so em tare­fas menores e atribua cada uma à pes­soa mais indi­ca­da para cada função.

    Esta é a aparên­cia do nos­so proces­so de cri­ação de con­teú­do para o blog:

    Cada cor rep­re­sen­ta uma pes­soa difer­ente da nos­sa equipa.

    Crie procedimentos operacionais padrão

    Mod­e­los opera­cionais padrão (SOPs — Stan­dard Oper­at­ing Pro­ce­dures, em inglês) são doc­u­men­tos que expli­cam como realizar tare­fas especí­fi­cas den­tro da sua orga­ni­za­ção. Deve criá-los para o maior número pos­sív­el de tare­fas peque­nas da eta­pa anterior.

    Por exem­p­lo, aqui está o nos­so SOP de nomen­clatu­ra de ima­gens para pub­li­cações de blog:

    Não é nada de espe­cial, mas ter tudo doc­u­men­ta­do des­ta for­ma per­mite-nos del­e­gar cada parte do proces­so de cri­ação de con­teú­do de for­ma mais efi­caz. Tam­bém tor­na a vida mais fácil ao inte­grar novos fun­cionários, já que a nos­sa coleção de SOPs fun­ciona efe­ti­va­mente como uma bib­liote­ca de aperfeiçoamento.

    Temos SOPs para o nos­so proces­so de cri­ação de vídeo, emb­o­ra o Sam os ten­ha cri­a­do porque é o respon­sáv­el pelo canal.

    Contrate escritores experientes

    Cri­ar soz­in­ho cada parte do con­teú­do é vir­tual­mente impos­sív­el, então pre­cis­ará de con­tratar escritores se quis­er evoluir. Mas é indisc­u­tivel­mente aqui onde muitas pes­soas come­tem um erro cru­cial porque procu­ram escritores em vez de espe­cial­is­tas no assunto. 

    Emb­o­ra seja ver­dade que pre­cisa de con­tratar bons escritores, é improváv­el que estes criem qual­quer con­teú­do ver­dadeira­mente valioso sem con­hec­i­men­to e exper­iên­cia de primeira mão.

    É por isto que nun­ca anun­ci­amos explici­ta­mente para escritores; procu­ramos “edu­cadores”:

    O nos­so pen­sa­men­to é que é mais fácil ensi­nar alguém a escr­ev­er mel­hor do que ensiná-lo a faz­er SEO. Tam­bém quer­e­mos que os nos­sos fun­cionários par­til­hem as suas próprias per­cepções e exper­iên­cias exclu­si­vas, por­tan­to, con­tratar escritores não é o sufi­ciente para nós.

    No entan­to, nem toda a gente faz as coisas des­ta maneira. Muitas mar­cas têm suces­so ao avaliar o seu con­teú­do usan­do uma abor­dagem top-down. É aqui que um estrate­ga de con­teú­do planeia cada peça, cria um esboço e o envia para um escritor para que se trans­forme numa peça completa.

    A mel­hor abor­dagem não é imutáv­el, depende de muitas coisas, como a com­plex­i­dade dos seus tópi­cos, a voz da mar­ca e a logística.

    Use um calendário de conteúdo

    Con­sistên­cia é o nome do jogo da cri­ação de con­teú­do, por isso é fun­da­men­tal plan­ear com ante­cedên­cia e man­ter o con­tro­lo de tudo num só lugar.

    É aqui que um cal­endário edi­to­r­i­al se tor­na útil.

    Esta é a aparên­cia do nos­so, para o blog:

    Cada pes­soa é difer­ente, mas nor­mal­mente planeamos o con­teú­do com 1 a 2 meses de antecedência.

    O seu cal­endário de con­teú­do tam­bém deve lis­tar detal­h­es impor­tantes para cada parte do con­teú­do. Aqui estão algu­mas das coisas que rastreamos:

    • Esta­do
    • Respon­sáv­el
    • Respon­sáv­el da fase
    • Palavra-chave
    • Data de publicação

    Tam­bém temos um cal­endário de con­teú­do semel­hante, mas sep­a­ra­do para o nos­so canal no YouTube.

    Leitu­ra recomen­da­da: Como Cri­ar um Cal­endário de Con­teú­do que Funcione

    Adapte o conteúdo para vários canais

    Cri­ar con­teú­do é um proces­so demor­a­do, por­tan­to, faz sen­ti­do aproveitar o máx­i­mo pos­sív­el de cada peça redi­re­cio­nan­do para out­ros canais.

    Por exem­p­lo, redi­re­cionamos a nos­sa pub­li­cação de blog sobre palavras-chave de cau­da lon­ga para o YouTube:

    https://www.youtube.com/watch?v=a6sqyOh0Njc

    Tam­bém usamos tweets cri­a­dos a par­tir de alguns dos pon­tos-chave da publicação: 

    Palavras-chave de cau­da lon­ga são ter­mos com baixos vol­umes de pesquisa. Recebem este nome por causa de onde ter­mi­nam na cur­va de procu­ra de pesquisa.Apesar do que muitas pes­soas pen­sam, não têm nada a ver com o taman­ho de uma palavra-chave, quão especí­fi­ca ela é ou quão boa é a prob­a­bil­i­dade de conversão.

    Lem­bre-se que quan­do falam­os sobre adap­tar o con­teú­do não esta­mos a diz­er para repub­licar a mes­ma peça ipsis ver­bis noutros canais. Se com­parar o nos­so arti­go e o nos­so vídeo sobre palavras-chave de cau­da lon­ga, perce­berá que estes estão longe de ser idên­ti­cos. Isto porque o que fun­ciona bem num for­ma­to nem sem­pre fun­ciona bem noutro, então deve sem­pre refor­matar em vez de republicar.

    Pensamentos finais

    Aumen­tar a pro­dução de con­teú­do de alta qual­i­dade com suces­so pode ter um impacto extrema­mente pos­i­ti­vo nos seus negó­cios. Somos a pro­va dis­so, assim como muitas out­ras empre­sas que ado­taram uma abor­dagem semel­hante ao con­teú­do, como o Buffer e o Wise.

    Mas lem­bre-se: não caia na armadil­ha de cri­ar con­teú­do sem uma estraté­gia de con­teú­do sól­i­da. Esta é uma maneira infalív­el de perder tem­po, din­heiro e recursos.

    Tem per­gun­tas? Diga-me no Twit­ter.